Governo quer reformados para reparar comboios

Operários com menos de 65 anos deverão trabalhar quase um ano enquanto não forem formados os 67 novos funcionários para a EMEF.

Parte dos 150 trabalhadores que se reformaram da EMEF no último ano e meio poderão voltar às oficinas de reparação de comboios. Estes operários irão ajudar no plano de recuperação de 70 comboios.

"Vamos ver com os recém-reformados da EMEF, de 60, 61 ou 62 anos, mas com 40 anos de serviço, para que possam, até à contratação dos novos trabalhadores, fazer um período na empresa", detalhou o ministro das Infraestururas, Pedro Nuno Santos, em audição no Parlamento.

O recurso a funcionários recém-reformados é crucial para que a CP e a EMEF possam executar o plano de recuperação de material circulante, sobretudo na sua fase inicial, que vai durar entre o segundo semestre de 2019 e o final de 2020.

As oficinas da EMEF também vão beneficiar da experiência destes operários, que poderão transmitir os conhecimentos aos trabalhadores que, entretanto, integrarem a EMEF.

Desconhece-se, para já, se os funcionários vão acumular a reforma com algum complemento salarial. O ministro referiu apenas que estes trabalhadores não perderão a reforma enquanto estiverem temporariamente em funções nas oficinas.

Em boa parte destes 18 meses, os 67 novos trabalhadores a serem recrutados para a EMEF vão estar em formação. E apenas vão receber essa formação depois de ficar concluído o concurso de recrutamento.

A segunda parte - a modernização dos comboios - irá decorrer entre o final de 2020 e 2022. A renovação do material circulante vai custar 45 milhões de euros nos próximos três anos e meio.

Renovação dividida

A renovação dos comboios irá decorrer sobretudo nas oficinas de Guifões, no Porto, fechadas desde 2011. O ministro lembrou que a oficina do Entroncamento também vai contribuir para a recuperação de comboios. Mas só no final deste mês se saberá quais as automotoras, locomotivas e carruagens a serem reparadas.

A reparação deste material vai permitir à CP aumentar o número de comboios disponíveis na empresa enquanto não chegarem os 22 novos comboios regionais, que apenas começarão a ser entregues entre o final de 2022 e o início de 2023.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG