Governo anuncia apoios de 100 milhões de euros para o turismo

O governo vai reforçar o programa Apoiar com 70 milhões de euros a fundo perdido e irá ainda lançar uma nova linha dotada de 30 milhões de euros direcionada às micro e pequenas empresas do setor.

O governo vai reforçar os apoios às empresas do setor do turismo com uma dotação de 100 milhões de euros. O recém-empossado secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Nuno Fazenda, anunciou esta quinta-feira, 8, o lançamento de uma nova linha no início do próximo mês de janeiro, a Linha Consolidar + Turismo, com uma dotação de 30 milhões de euros, que terá gestão do Turismo de Portugal e é direcionada às micro e pequenas empresas do setor que apresentem "dificuldades em gerir dívida contraída, designadamente, durante a pandemia".

"Com esta linha, as empresas poderão financiar-se junto do Turismo de Portugal, sem juros, para liquidação de parte dos reembolsos devidos aos Bancos durante o ano de 2023, com um prazo de carência de dois anos e um prazo de reembolso total de seis anos. Isto permitirá às empresas suavizar e alongar no tempo as suas necessidades de capital", revelou durante a sessão de abertura do 47º Congresso da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), que decorre em Ponta Delgada, até sábado.

Nuno Fazenda deslindou também o montante destinado ao reforço do programa Apoiar, acordado com a Confederação do Turismo Português (CTP), em outubro passado, no contexto do Acordo de para a Melhoria dos Rendimentos, dos Salários e da Competitividade. No total, o governo vai passar um cheque de 70 milhões de euros a fundo perdido para as empresas do turismo.

"Estas duas medidas representam globalmente 100 milhões de euros para as empresas. Ambas as medidas dão resposta às reivindicações do setor. Chama-se a isto fazer. E fazer com sentido de urgência", sublinhou o governante.

O sucessor de Rita Marques, que discursou hoje pela primeira vez desde que foi empossado pelo Presidente da República no início do mês, garantiu que estão a ser desenhados mais apoios que serão anunciados em breve.

"Além disto, o governo está já a trabalhar no sentido de assegurar um quadro de outras linhas de apoio às empresas e que anunciaremos no primeiro trimestre do próximo ano", adiantou.

No âmbito do PRR, Nuno Fazenda disse ainda que "em breve" será assinado o contrato da "Agenda Acelerar e Transformar o Turismo" que prevê alocar 151 milhões de euros em investimentos "de natureza empresarial, muito importantes na transição climática e digital". "Com esta Agenda Mobilizadora e com os fundos europeus estaremos a construir o futuro", reforçou.

Agenda para retenção de mão-de-obra
Reconhecendo as dificuldades que o setor enfrenta na retenção e captação de recursos humanos, o secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, anunciou ainda que o governo irá criar uma "agenda para a atração e qualificação de pessoas para o turismo" assente em cinco eixos: reforçar a qualificação dos recursos humanos, criar uma campanha específica para o trabalho no turismo, que aproxime as pessoas e as empresas; promover uma maior agilização na emissão de vistos para trabalhar em Portugal; disponibilizar apoios às empresas para a contratação estável de recursos humanos e, por fim, valorizar as profissões do turismo e as remunerações.

"Esta é uma agenda muito importante e que iremos levar a cabo. É estratégica, é necessária e vamos fazer acontecer", garantiu.

*A jornalista está nos Açores a convite da APAVT

Rute Simão é jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG