Carlos Costa avisa que lista de maiores devedores à banca não pode ser pública

Na semana passada o PSD anunciou que ia pedir a divulgação dos 50 maiores devedores do banco público desde 2000.

O Governador do Banco de Portugal disse hoje que a informação sobre os maiores devedores dos bancos não pode ser pública e que o acesso por deputados, caso seja decidido, tem de ser bem ponderado e coordenado segundo a legislação europeia.

O Governador foi hoje questionado quanto ao acesso que alguns partidos defendem à informação sobre os maiores devedores dos bancos, tendo considerado que qualquer iniciativa que o parlamento tome tem de ser feita depois de "ponderados os prós e contras" dessa decisão e respeitando "o enquadramento legislativo europeu, incluindo o regulamento do mecanismo único de supervisão".

O responsável máximo do banco central disse ainda que a legislação "não permite pôr na praça pública uma lista".

Além disso, acrescentou, também não é possível, pela legislação, que haja "tratamento diferenciado em função da propriedade da instituição". Ou seja, não é possível aceder a informação apenas da Caixa Geral de Depósitos (CGD) por ser banco público.

Sobre a forma como os deputados poderiam aceder a essa informação, Carlos Costa considerou que terão de ser os jornalistas a avaliar as possibilidades.

Ainda assim, acrescentou, poderia ser feito adotando legislação "que garantisse que membros da comissão parlamentar respeitavam as regras de sigilo a que estão obrigados os restantes indivíduos e instituições que têm acesso" a essa informação. "Temos de olhar para o enquadramento jurídico europeu e ver como delimitar o campo de possibilidades", afirmou.

Na semana passada o PSD anunciou que ia pedir a divulgação dos 50 maiores devedores do banco público desde 2000.

Já o PCP considerou que tal significa tratamento desigual face a outros bancos, tendo anunciado um requerimento para pedir ao Banco de Portugal que disponibilize as listas de grandes devedores de todos os bancos alvo de intervenção estatal e dos decisores desses créditos em falta.

Este requerimento foi hoje discutido na comissão de orçamento e finanças, mas a sua votação foi adiada para que possam ser incorporados os contributos do PSD, que disse ser favorável à proposta.

Já o PS considerou hoje que o que o PSD quer com este processo é penalizar a CGD, considerando que "o PSD não ignora o impacto na CGD se fosse o único banco a revelar a lista dos devedores".

O CDS-PP, por seu lado, afirmou que sempre foi favorável à divulgação deste tipo de informação, afirmando que para isso tem a "solução definitiva, que é alterar a lei, permitindo o acesso legal a esse tipo de informação" dos maiores devedores.

O BE não esteve presente na reunião de hoje. Contudo, a sua posição é conhecida, considerando que só alterando a lei do sigilo bancário é que se pode aceder a esses dados.

A divulgação de informação sobre maiores devedores deverá ter muitos obstáculos, desde logo pelo sigilo bancário, podendo a solução ser a criação de uma comissão de inquérito em que os deputados que a integram acedem a essa documentação mas com vários mecanismos que garantam o sigilo.

Miguel Tiago, do PCP, disse na semana passada que há abertura para "mecanismos de reserva" do sigilo, como a eventual consulta dos documentos em sala fechada e sem forma de reprodução.

Esta semana, num encontro com jornalistas, o presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB) defendeu que o "segredo bancário é um pilar basilar da atividade bancária" e que esse "impede a divulgação dos nomes dos devedores, a não ser se houver ilícitos criminais".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.