FMI melhora previsão do défice mas continua mais pessimista que Governo

Fundo divulgou esta quarta-feira o "Fiscal Monitor", relatório com previsões orçamentais para vários países do mundo

O Fundo Monetário Internacional (FMI) melhorou a estimativa para o défice orçamental deste ano, para 1,9% do PIB, mas continua a estar mais pessimista do que o Governo não só para 2017, mas para os anos seguintes.

No 'Fiscal Monitor', um relatório com as previsões orçamentais para vários países do mundo divulgado hoje, o FMI melhorou as estimativas face às últimas projeções conhecidas em fevereiro, quando antecipava défices de 2,1% e de 2,3% este ano e no próximo.

Agora, o Fundo, num documento que é coordenado pelo antigo ministro das Finanças Vítor Gaspar (agora diretor no FMI), estima que o défice orçamental fique nos 1,9% este ano, subindo depois para 2,2% nos dois anos seguintes, para 2,3% em 2020, para 2,4% em 2021 e atingindo 2,6% em 2022.

Por sua vez, e segundo o Programa de Estabilidade 2017-2021 entregue à Assembleia da República na semana passada, o Governo prevê que o défice orçamental represente 1,5% do PIB este ano, descendo para 1% no próximo e para 0,3% em 2019.

O executivo liderado por António Costa estima conseguir equilibrar as contas a partir de 2020, prevendo um saldo orçamental positivo de 0,4% do Produto Interno Bruto (PIB) nesse ano e de 1,3% em 2021, enquanto o Fundo prevê saldos negativos (e superiores) em cada um desses anos.

A verificar-se a estimativa do FMI, de um défice de 2,6% em 2022, Portugal terá o pior défice orçamental da zona euro nesse ano, depois da Bélgica e da Grécia, ambos com saldos orçamentais negativos de 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB), mas também de Espanha (2,3%) e da Eslovénia (2,2%)

Também no que diz respeito à dívida pública, embora tenha melhorado as suas estimativas face a fevereiro, o FMI mostra-se mais pessimista do que o Governo, estimando uma redução do rácio a um ritmo mais lento.

O Fundo prevê agora que a dívida pública represente 128,6% do PIB este ano, 127,1% em 2018, 125,7% em 2019, 124,6% em 2020, 123,7% em 2021 e 122,9% em 2022.

Já o executivo, no Programa de Estabilidade, estima que a dívida pública desça para 127,9% este ano, para 124,2% no próximo, para 120% em 2019, para 117,6% em 2020 e para 109,4% em 2021.

Na zona euro, e a confirmarem-se as estimativas do FMI, Portugal terá a terceira maior dívida pública este ano entre os países da moeda única, apenas atrás da Itália (132,8%) e da Grécia (180,7%).

No final do período analisado pelo FMI, ou seja, em 2022, a dívida pública portuguesa (122,9%) ultrapassa a da Itália (121,3%), passando a ser a segunda mais elevada da zona Euro. A Grécia manterá a primeira posição (162,8%).

O FMI apresenta ainda uma estimativa de 2,3% do PIB para o défice do ano passado, partindo de uma perspetiva de caixa entre janeiro e setembro, mesmo depois de o Instituto Nacional de Estatística (INE) já ter avançado o valor do défice em contabilidade nacional (a ótica dos compromissos) no conjunto do ano: 2% do PIB.

Para as estimativas relativas a este ano, o FMI baseia-se no Orçamento do Estado de 2017, ajustando-o às previsões macroeconómicas. Para os anos seguintes, baseia-se num cenário de políticas invariantes.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?