Fitch. Crise portuguesa nunca teve que ver com riscos políticos

Agência que avalia dívidas coloca Portugal no grupo de 20 países que tiveram crises graves de crédito, mas onde o fator político foi pouco ou nada relevante

O risco de instabilidade política em Portugal nunca foi um fator relevante ou mesmo existente e, como tal, nunca contribuiu "materialmente" para provocar ou agravar a crise da dívida soberana que começou em 2010, indica um estudo da agência financeira Fitch.

A empresa, que avalia a qualidade da dívida portuguesa, ou seja, a capacidade de o país pagar o que deve a tempo e horas, acredita que há "consenso político amplo" no que concerne às regras do Pacto de Estabilidade, nomeadamente ao teto do défice de 3%, e que "isto será suficiente para manter um excedente orçamental primário consistente com uma descida firme no rácio da dívida". Na zona euro, Portugal partilha este grupo dos imunes à instabilidade política com Espanha, Chipre, Eslovénia e Irlanda.

A Fitch retirou Portugal do escalão de crédito especulativo ("lixo" na gíria dos mercados) a 15 de dezembro, subindo o rating em dois níveis para BB+. Juntou-se à Standard & Poor"s e à DBRS. A próxima comunicação da Fitch sobre a nota de crédito portuguesa está agendada para 1 de junho.

Atualmente, das quatro grandes agências, apenas a Moody"s classifica a dívida de Portugal como investimento arriscado, mas tudo indica que no mês que vem a avaliação pode melhorar. Sarah Carlson, uma das suas vice-presidentes, disse ao DN/Dinheiro Vivo que "avaliamos o risco político interno de Portugal como sendo muito baixo". No mês passado, Evan Wohlmann, o economista da Moody"s que segue Portugal, afirmou que o país "está prestes a regressar ao rating de investimento". A agência tem nova avaliação marcada para 20 de abril. A DBRS, que nunca considerou a República como "lixo", também fala nesse dia.

O estudo da Fitch mostra que quase metade (47%) dos 38 países que afundaram económica e financeiramente por causa de crises agudas de crédito desde 1997 enfrentaram riscos de instabilidade política materialmente relevantes para afetar negativamente os ratings. Dois deles são da zona euro: Grécia e Itália - os distúrbios políticos, embora não tenham provocado as crises do crédito, "amplificaram" a degradação das respetivas notas da dívida.

Sobre a Grécia, que começou a ser despromovida em 2009, a Fitch aponta para fatores como "protestos violentos, respostas políticas que ameaçaram o serviço da dívida e a sua pertença à zona euro"; no caso de Itália, o problema esteve na "inércia que impediu ação política sobre o orçamento, reformas estruturais e bancos".

A agência de rating admite que "o risco político" é algo "difícil de medir", mas considera que existe sempre que haja situações de violência civil ou social, riscos geopolíticos que sugiram ameaças de conflitos ou de guerras comerciais, tensões étnicas, religiosas ou entre grupos de ricos e pobres, entre outras. No caso de Portugal, considera que a crise foi de finanças públicas e de instabilidade financeira e surgiu na sequência da grande crise global, com o setor público e privado a carregarem depois demasiado peso em termos de endividamento e grandes volumes de crédito malparado, no caso dos bancos.

"Encontramos algumas evidências de que as recuperações de crises nos ratings são mais lentas quando os fatores políticos e de governo tiveram importância." Assim é, "porque a perda de eficácia do governo e de coesão política podem deixar os soberanos menos capazes de implementar programas de ajustamento para que as suas economias regressem a posições sustentáveis".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.