Em Portugal só os ricos é que poupam

No final do ano passado, a taxa de poupança das famílias atingiu o mínimo histórico, três vezes inferior à média na zona euro

Os portugueses estão a poupar cada vez menos. A tendência de queda começou com a entrada no euro e só foi interrompida nos anos de crise. E quem poupa são sobretudo os mais ricos. Prova disso é o facto de cerca de 80% da poupança em Portugal ser gerada pelos 20% de famílias com rendimentos mais elevados. Inversamente, os que têm menos rendimentos registam níveis negativos de poupança. Esta realidade indicia que poupar pode ser, no limite, visto como um "bem de luxo".

O Banco de Portugal (BdP) analisou a evolução da taxa de poupança das famílias desde a chegada do euro até à atualidade e verificou que, além da riqueza líquida, também o nível de escolaridade influencia a fatia de rendimento disponível que não é absorvida em consumo e é canalizada para poupanças. Ou seja, poupar é mais comum entre os que têm o ensino superior e pouco relevante entre os que têm apenas o ensino básico ou menos do que isso.

Perante este contexto (em que tanto a riqueza líquida como o nível de escolaridade estão associados com o rendimento permanente), uma das conclusões a que o estudo chega é que "alterações da desigualdade na distribuição de rendimento poderão ter um impacto negligenciável sobre a evolução da poupança agregada". Dito de outra forma, uma redução nas desigualdades não levaria necessariamente a uma subida da poupança.

Os dados sugerem até o contrário: entre 2003 e 2013, o total de riqueza detido pelos mais ricos diminuiu de forma sustentada, mas a taxa de poupança caiu. O que sugere que cerca de um ponto percentual da descida da taxa de poupança até 2009 terá que ver com a redução das desigualdades na distribuição do rendimento.

Portugal chegou ao final de 2015 com uma taxa de poupança a rondar os 4,2% do rendimento disponível, o que corresponde a um mínimo histórico. Este valor é três vezes inferior à média da zona euro (12,5%) e traduz um queda acentuada face aos 11,4% registados em 1999. Traduzindo em valores isto significa que no início do euro os portugueses pouparam cerca de 9,7 mil milhões de euros e que no ano passado o valor guardado rondou os cinco mil milhões de euros.

A informação disponível mostra que, de uma forma geral, a entrada no euro fez cair de forma mais acentuada a poupança dos portugueses do que a de outros povos parceiros da moeda única. O que motivou este comportamento? O acesso mais fácil a crédito a preços mais baixos e taxas de juro mais constantes. Esta situação acarretou uma subida do nível de endividamento, o que também viria a ter repercussões na capacidade de poupar.

A queda no nível de poupança conheceu um breve interregno em 2011 e 2012, quando a crise se agudizou e Portugal se viu obrigado a pedir ajuda financeira. O aperto no acesso ao crédito que então se verificou e a deterioração das expectativas (em termos de emprego e de rendimento) levou as famílias a travar a fundo no consumo e a adiar intenções de compra. É que a preocupação para fazer face a problemas no futuro é o principal motivo para as famílias pouparem e é transversal aos mais ricos e mais pobres. Este pessimismo começou a desvanecer-se em 2013 e ajuda a explicar a forte subida no consumo de bens duradouros que se verificou na reta final de 2014 e ainda em 2015.

O atual contexto de taxas de juro muito baixas também não ajudará a incentivar a poupança, ainda que o Banco de Portugal espere no futuro próximo uma normalização no consumo de bens duradouros (nomeadamente automóveis), "mais em linha com o rendimento disponível e o custo do crédito" e que isto contribua "para um aumento da taxa de poupança num futuro próximo".

Abrandamento e arrepio

Numa análise à evolução da economia em 2015, o Banco de Portugal assinala que apesar de o crescimento de 1,5% registado no ano passado refletir a melhoria da generalidade das componentes da procura interna (consumo privado, investimento) e a aceleração das exportações, também é verdade que foi menos acentuado no segundo semestre.

Apesar de o crescimento de 2015 ter superado o de 2014, o certo é que "a atividade económica mostrou sinais de enfraquecimento no segundo semestre em resultado da desaceleração da formação bruta de capital fixo [investimento] empresarial e das exportações", revela o Boletim Económico de maio, do BdP, ontem divulgado. Este perfil de crescimento está em linha com o observado na zona euro, mas ainda abaixo dos níveis registados antes do eclodir da crise financeira.

Para este ano, a instituição liderado por Carlos Costa prevê um crescimento idêntico (1,5%), sendo esta previsão semelhante às que nesta semana foram divulgadas pela Comissão Europeia e mais pessimista do que os 1,8% esperado pelo governo.

Relativamente às contas públicas, o BdP salienta o arrepio verificado em 2015 no caminho da consolidação orçamental. "Em termos de política orçamental, foi interrompida a consolidação iniciada em 2011", observa o supervisor, referindo que isto se deveu à quebra da receita estrutural em 0,8 pontos percentuais (devido a receitas não fiscais). "O défice orçamental em 2015 situou-se claramente acima do valor de referência de 3% do PIB não permitindo o encerramento do Procedimento por Défices Excessivos dentro do prazo estabelecido no âmbito dos compromissos europeus", diz ainda o documento, acentuando que este resultado foi fortemente condicionado por operações de natureza temporária mas que ao mesmo tempo se verificou um deterioração do saldo estrutural - o que acontece pela primeira vez desde 2011.

Tudo isto será também agora avaliado pela Comissão Europeia, que ainda neste mês se pronunciará sobre as consequências de Portugal não ter conseguido fechar 2015 com um défice inferior a 3%.

Em relação ao desemprego, o BdP refere que as condições do mercado de trabalho melhoraram, mas assinala que apesar da descida da taxa de desemprego, permanece em níveis bastante elevados os de longa duração - que abrange os que estão sem trabalho há mais de um ano.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG