Economia desacelera para 2,1% no terceiro trimestre

Consumo das famílias travou, tendo sido o principal responsável pelo enfraquecimento do ritmo económico. O investimento até acelerou.

A economia portuguesa perdeu força, desacelerando de 2,4% no segundo trimestre para 2,1% no terceiro, indicou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O consumo das famílias travou, tendo sido o principal responsável pelo enfraquecimento do ritmo de expansão do produto interno bruto (PIB). O investimento até acelerou.

"A procura interna registou um contributo menos positivo, em resultado da desaceleração do consumo privado, uma vez que o investimento apresentou um crescimento ligeiramente mais acentuado", refere o INE na estimativa rápida das contas nacionais.

O comércio internacional também continua a penalizar a dinâmica de crescimento, já que "a procura externa líquida [exportações menos importações] apresentou um contributo negativo idêntico ao observado nos dois trimestres anteriores", refere o INE.

No fundo, significa que o crescimento das exportações totais de bens e serviços está cada vez mais fraco, comparando com o avanço das importações. Como esta é uma estimativa rápida, o INE ainda não calcula o andamento das exportações e importações no terceiro trimestre, mas sabemos que no período de abril a junho as vendas de Portugal ao exterior estavam a crescer 6,8% em termos homólogos, sendo superadas pelo ritmo das importações que acelerou para 7,9%.

O que está a acontecer com as vendas da Autoeuropa, por exemplo, com milhares de carros acumulados no porto de Setúbal devido à greve dos estivadores precários deverá estar a penalizar diretamente as exportações nacionais.

Abaixo da média anual

Os 2,1% de crescimento no terceiro trimestre reduzem a média do ano para 2,2%, que assim fica abaixo dos 2,3% estimados pelo governo para o conjunto de 2018 (estimativa do Orçamento do Estado de 2019). O ritmo médio de janeiro a setembro só não foi inferior a 2,2% porque o INE reviu em alta (mais uma décima) os crescimentos do primeiro e do segundo trimestre, para 2,2% e 2,4%, respetivamente.

Crescimento em cadeia também enfraquece

"Comparativamente com o 2º trimestre de 2018, o PIB aumentou 0,3% em termos reais, menos 0,3 pontos percentuais que no trimestre anterior", revela o INE. "O contributo da procura externa líquida para a variação em cadeia do PIB passou de nulo a negativo, refletindo uma diminuição das exportações de bens e serviços mais intensa que a das importações.

O contributo positivo da procura interna aumentou no 3º trimestre, traduzindo o crescimento mais elevado do consumo privado e do investimento." A segunda estimativa para as contas nacionais trimestrais do terceiro trimestre de 2018 será divulgada no próximo dia 30 de novembro de 2018, segundo diz o INE.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.