É oficial. Cofina confirma negociações com a Prisa para compra da TVI

A confirmação surge depois do regulador de mercado ter suspendido a negociação dos títulos da Cofina e da Media Capital

É oficial. A Cofina está mesmo a negociar a compra da TVI com a Prisa. A confirmação do grupo de Paulo Fernandes surge depois de a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) ter suspendido a negociação das ações da Cofina e da Media Capital após notícias de que os dois grupos de media estavam em negociações exclusivas.

"Cofina - SGPS, S.A. ("Cofina") confirma que estão a decorrer negociações com a Promotora de Informaciones, S.A. ("Prisa"), em regime de exclusividade, relativas à potencial aquisição da participação da Prisa na Grupo Media Capital SGPS, S.A. ("Media Capital"), grupo português do setor dos media, com presença no mercado da televisão, produção audiovisual, rádio, digital, música e entretenimento", diz o grupo dono do Correio da Manhã e da CMTV.

O regulador de mercado suspendeu a negociação das ações da Cofina e da Media Capital, "aguardando a divulgação de informação relevante ao mercado", depois de o Expresso ter avançado de que o grupo de Paulo Fernandes teria fechado um memorando para negociações exclusivas com a Prisa para a compra da TVI, a estação do grupo Media Capital.

Há várias semanas que no mercado circulava a informação de que a Cofina iria avançar com uma oferta, rumor que se adensou quando foi oficializada a saída de Rosa Cullell do cargo de CEO da Media Capital, dando lugar a Luís Cabral.

A Cofina avança agora para a compra da estação de Queluz depois da falhada operação de aquisição da estação pela Altice Portugal. A dona do Meo tinha oferecido 440 milhões de euros pelo grupo dono da TVI, mas o negócio falhou depois de a operadora não ter avançado com mais remédios junto da Autoridade da Concorrência (AdC), que elencou uma série de impactos negativos ao nível da concorrência que este negócio poderia ter em diversos sectores.

O avanço do grupo dono do Correio da Manhã e da CMTV surge, todavia, num momento diferente da estação. Depois de mais de uma década na liderança das audiências nacionais, a TVI tem vindo a perder share, tendo em fevereiro a concorrente SIC passado a liderar as audiências no total de dia.

Em julho a SIC voltou a assegurar a liderança das audiências de televisão em Portugal com um share de 21,2% no total do dia. A estação do grupo Impresa viu o share recuar 0,9 pontos percentuais (pp) face a junho, mas está a 4,8 pp da TVI, que registou um share de 16,4%, tendo perdido 0,6 pp face ao mês anterior.

A concretizar-se o negócio, a Cofina leva consigo ativos como o Correio da Manhã, a CMTV, o Jornal de Negócios ou a Sábado, que se poderão juntar à TVI e à TVI24, bem como rádios Comercial ou a produtora Plural. O negócio terá de passar no crivo da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), que tem direito de veto, bem como pelo da AdC.

Ana Marcela é jornalista do Dinheiro Vivo

Exclusivos