Deutsche Bank assusta com "alertas já indisfarçáveis"

O banco alemão é das instituições com maiores ramificações globais e é visto pelo FMI como o maior risco sistémico do globo

Com as ações em mínimos e os custos para contratar seguros contra o risco do crédito (CDS) do Deutsche Bank a valores mais altos do que em 2008, aquando da queda do Lehman, a situação do banco está cada vez mais difícil de ignorar.

"A situação já fez tocar muitas campainhas, os sinais de alerta já são indisfarçáveis", diz João Queiroz, diretor de Negociação do Banco Carregosa, em declarações ao DN/Dinheiro Vivo. E concretiza: "As ações do Deutsche Bank estão em mínimos históricos, a dívida subordinada e a dívida perpétua estão a corrigir abaixo dos 100% e os CDS estão a valores mais altos do que em setembro de 2008, o mês da falência do Lehman." Se no início de 2016 o custo de contratar um seguro para o risco do Deutsche rondava os 180 euros, ontem os CDS para dívida a cinco anos do banco alemão estavam perto dos 480 euros.

Teste de stress aumentou alarme

O Fundo Monetário Internacional alertou a 30 de junho que o Deutsche Bank apresenta o maior risco para a estabilidade financeira mundial, tendo na altura recomendado ao governo alemão que tenha todas as ferramentas disponíveis para lidar com uma resolução bancária. No mesmo dia, a Reserva Federal divulgou que as subsidiárias norte--americanas do Deutsche Bank e do Santander chumbaram no teste anual de stress daquela autoridade, devido a falhas nos planos de capital e de gestão de risco. E este terá sido um dos catalisadores de uma nova fuga de investidores do banco alemão.

"A verdade é que os investidores estão a desfazer-se rapidamente dos papéis do Deutsche Bank, o maior banco da Alemanha e um dos maiores da Europa. Os ativos do Deutsche Bank são quase metade do PIB alemão. Os sinais alarmantes agudizaram-se desde que o banco falhou os testes dos EUA e à medida que se aproxima a data em que terá de se adequar aos novos rácios de capital para os bancos europeus", diz ainda João Queiroz.

"Algo que nos deixa ainda mais preocupados é o poder de contágio a toda a banca europeia e não só: o DB é, dos bancos universais, aquele que mais tem relações com outras instituições de crédito", conclui o diretor do Banco Carregosa.

Exclusivos