Deputados querem relatório secreto da CMVM sobre o BES

A presidente da CMVM disse em audição no parlamento que o documento está abrangido por segredo.

É mais um relatório secreto a que os deputados a investigar o Novo Banco querem ter acesso. Desta vez, trata-se de um relatório interno elaborado pelo polícia da bolsa sobre a sua atuação no período que precedeu a resolução do Banco Espírito Santo (BES). Gabriela Figueiredo Dias, presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) esteve esta segunda-feira a ser ouvida na Comissão Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução. Antes, esteve para ser ouvido Carlos Tavares, atual presidente do Banco Montepio e antigo presidente da CMVM. Mas a sua audição foi adiada de forma repentina, por estar em falta o relatório secreto que ainda não havia chegado às mãos dos deputados da Comissão parlamentar.

Segundo a presidente da CMVM, a informação que está no relatório "está sujeita a segredo". "Com o pedido de levantamento de segredo, esse documento será entregue à Comissão de Inquérito", afirmou. A justificação dada para o "segredo" é o facto de o documento poder conter informações sobre ações de supervisão que podem ainda não ter sido divulgadas em anteriores comissões parlamentares. Mas o presidente da Comissão que investiga o Novo Banco, o deputado social-democrata Fernando Negrão, insistiu no final da audição que os deputados querem mesmo ter acesso ao relatório da CMVM. Negrão lembrou que a única entidade que pode determinar a quebra do segredo é o Supremo Tribunal de Justiça, após a entidade visada negar aos deputados o acesso a determinada informação. "Nós não queremos nenhuma quebra de segredo. Queremos o documento, continuando em segredo", disse o presidente da Comissão. "Vamos fazer o nosso requerimento (à CMVM) com esta fundamentação", adiantou.

Gabriela Figueiredo Dias frisou que irá averiguar na CMVM a situação e que responderá aos deputados posteriormente sobre o pedido de acesso ao relatório. Segundo a presidente da CMVM, o relatório foi elaborado a pedido de Carlos Tavares, para reunir a informação das diferentes áreas do supervisor que visassem a atividade do BES.

Jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG