Receita volta a brilhar. Défice cai para 536 milhões até junho

Primeiro semestre do ano acaba com défice a melhorar mais de 2,1 mil milhões de euros. A receita cresceu quase cinco vezes mais do que a despesa.

O governo chega a meio do ano com um défice de 536 milhões de euros, o que representa uma melhoria de 2 117 milhões de euros face ao mesmo período do ano passado. De acordo com um comunicado do Ministério das Finanças que antecede a divulgação da síntese da execução orçamental, no primeiro semestre deste ano, a receita cresceu 7,2% e a despesa de 1,5%, face a igual período de 2018.

A nota do gabinete de Mário Centeno refere que a despesa primária (sem contabilizar os juros) cresceu 2,9%. No comunicado é referido que o "saldo orçamental até junho se encontra-se influenciado por efeitos que melhoram o saldo, mas que não têm impacto no apuramento em contas nacionais, na ordem dos 602 milhões de euros."

IVA e ISP dão gás à receita

A receita dos impostos continua a suportar o bom desempenho orçamental das administrações públicas, em particular o IVA e o ISP (Impostos sobre Produtos Petrolíferos), que continua a crescer acima de dois dígitos. De acordo com o comunicado das Finanças, "a receita fiscal cresceu 7,6%, com destaque para o aumento do IVA de 9,3%, do ISP em 11,2% e do IRS em 3,7%." O Ministério das Finanças insiste que a "dinâmica da receita" continua a dever-se ao bom desempenho da economia e não a alterações nas taxas dos impostos

Leia mais em Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.