Contratos a prazo são um terço do desemprego

Mais de 177 mil pessoas viram os seus vínculos não serem renovados em 2015. Os despedidos são 87 mil

O fim dos contratos a prazo é o motivo que justifica o maior número de novas inscrições de desempregados nos centros de emprego - somou, no final do ano passado, mais de 34% do total dos novos desempregados registados no Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). São mais de 177 mil pessoas. Os despedimentos (coletivos e por extinção de postos de trabalho) estão a cair desde 2012. São agora um pouco mais de 87 mil.

No ano em que a troika chegou a Portugal, estavam registados nos centros de emprego do IEFP 576 383 desempregados. A grande maioria devido ao despedimento de trabalhadores do quadro (25,3%) ou pelo facto de os trabalhadores a prazo terem visto o seu contrato chegar ao fim e não ser renovado (34,3%). Um ano depois, em 2012, o cenário era ainda mais negro: o número de desempregados atingiu um recorde de 675 466. De então para cá, os despedimentos - e o desemprego - têm caído.

Os despedimentos levaram, no ano passado, 87 328 pessoas aos centros de emprego, ou seja, respondem agora por apenas 16,75% do desemprego registado naquele ano - o valor mais baixo desde a chegada da troika, de acordo com os dados do IEFP. O fim de trabalho não permanente, pelo contrário, totalizou 177 498 mil pessoas, mais de um terço do total dos desempregados inscritos.

Na tabela de motivos que mais levam as pessoas a inscrever-se nos centros de emprego seguem-se os estudantes que dão por concluída a sua formação e as pessoas que rescindem por mútuo acordo. As rescisões amigáveis registaram um máximo de 43 844 casos em 2012 e têm observado uma tendência de queda de então para cá. O facto de estas situações não garantirem o acesso ao subsídio de desemprego (porque desde 2006 que existem quotas legais em função da dimensão da empresa) ajudará também a explicar esta quebra. A maior descida percentual é nos ex-trabalhadores por conta própria - 4473 no ano passado, menos 50,3%.

O ranking dos principais motivos de desemprego e a evolução que tem sido observada nos últimos anos não surpreende João Cerejeira, economista e professor da Universidade do Minho. O facto de o fim de trabalho não permanente estar a ganhar peso ao mesmo tempo que o despedimento de trabalhadores do quadro perde gás pode ser explicado pelo facto de as empresas recorrerem cada vez mais a contratos precários, quer de quem está a dar os primeiros passos no mercado de trabalho quer de quem caiu no desemprego.

"Os trabalhadores que antes tinham um contrato sem termo, quando são despedidos e regressem ao mercado de trabalho, conseguem-no normalmente através de contratos a prazo." João Cerejeira lembra ainda que, em média, a taxa de rotação de trabalhadores a prazo é cerca de cinco vezes superior à dos "permanentes".

O professor da Universidade do Minho admite que, nos próximos anos, se poderá assistir a uma nova subida dos despedimentos de trabalhadores permanentes. É que, acentua, não só os despedimentos coletivos ficaram facilitados na última revisão do Código do Trabalho (em 2012) como o valor das indemnizações também foi limitado e baixou significativamente. "Haverá tendência para que o número de despedidos se aproxime dos números do fim do trabalho não permanente porque se vão tornando mais baratos", prevê.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.