Conheça o homem que decide quem pode comprar um Ferrari de edição limitada

Diretor de marketing e comercial escolhe quem são os clientes que têm direito a gastar milhões num carro de edição limitada

Enrico Galliera é o amigo que todos os multimilionários gostariam de ter. O diretor de marketing e comercial da Ferrari é responsável por escolher os clientes que podem comprar os modelos de edição limitada da marca.

"A parte mais difícil do meu trabalho é dizer não", disse Galliera numa entrevista à Drive, acrescentando que há clientes que fazem muita pressão.

O italiano afirma que há "muito mais procura do que oferta", por isso são seguidos alguns critérios na distribuição dos modelos exclusivos da Ferrari que privilegiam os "bons clientes".

"Consideramos os carros de edição limitada um presente para os nossos melhores clientes", explicou Galliera, de 51 anos.

O responsável garante que segue esta norma à risca e não se deixa enganar pelos clientes que mostram ter muito dinheiro. "No princípio recebes candidaturas de pessoas que não merecem, apenas têm dinheiro", contou Galliera. Eles dizem "'eu sou o rei de alguma coisa então mereço o carro. Eu digo 'sim, mas não é cliente da Ferrari'", continuou.

"Depois há os que são bons clientes e mesmo assim não estão no topo 200 e não lhes posso oferecer o carro", continuou Galliera. "Normalmente a maioria compreende mas alguns deles não estão habituados a ouvir 'não' e continuam a pedir".

Mas os carros não são propriamente oferecidos. Por exemplo, o descapotável LaFerrari Aperta, o último modelo limitado da Ferrari, foi "oferecido" a 200 clientes por 1,2 milhões de dólares (cerca de 1,04 milhões de euros) mais impostos.

Cada um dos 200 escolhidos recebeu pelo correio uma pequena caixa em casa com a chave da Ferrari e um bilhete a perguntar se estaria interessado em comprar o próximo descapotável da marca, mesmo antes de o ver. Todos responderam que sim.

Segundo o Drive, desde que o modela LaFerrari Aperta foi lançado, há quatro anos, o valor de mercado triplicou.

O empresário e colecionador de carros de luxo David Lee foi um dos que ficou insatisfeito por não fazer parte da lista dos escolhidos. O milionário comprou vários carros da marca para poder fazer parte desta lista, segundo o AutoPortal, e quando não conseguiu, criticou a Ferrari numa entrevista para o Los Angeles Times.

Galliera afirma que os carros da Ferrari são mais exclusivos hoje do que há 10 anos, quando a empresa vendia quatro mil veículos por ano. Há mais pessoas no mundo com capacidade para comprar estes carros de luxo e "o que é mais importante é o rácio entre a procura e o nível de carros que pomos no mercado", explicou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG