Comboio ou avião? O exemplo de Londres e Paris faz 25 anos

O Eurostar liga Londres a Paris em menos de duas horas e meia. Foi utilizado por 11 milhões de pessoas no ano passado.

Nasceu em 1994 para aproximar Londres e Paris e, afinal, fez bem mais do que isso. O Eurostar, comboio que mergulha no Canal da Mancha através do Eurotúnel, veio reconfigurar o panorama dos transportes entre estas duas capitais europeias. Avião ou comboio? A escolha hoje é outra.

Números da AOG, consultora britânica para o setor da aviação, mostram que em 1996 - dados mais antigos disponíveis - havia 4,8 milhões de assentos disponíveis a ligar Paris e Londres. O comboio Eurostar já circulava há dois anos e era visto por muitos como uma opção futurista e pouco adaptada a deslocações diárias. Hoje, a realidade mudou: contam-se apenas 2,7 milhões de lugares de avião a ligar as duas capitais, isto é, menos 44%.

O número de rotas operadas entre as duas cidades, por sua vez, caiu 54% de 36.608 em 1996 para 16.755 este ano, com os voos diários a passarem de 100 para 46. A redução para menos de metade nas rotas é mais acentuada do que a do número de passageiros porque as companhias aéreas utilizam atualmente aeronaves de maior capacidade - 132 lugares em 1996 para 161 lugares agora que as companhias utilização na sua maioria - 85% - aviões A319 ou A320.

O Eurostar, pelo contrário, tem visto aumentar o número de passageiros de ano para ano, para o máximo de 11 milhões em 2018, no total das rotas operadas. "Apesar de ter havido uma redução no número de voos a partir do momento em que o Eurostar começou a operar foi, efetivamente, pequena. O impacto real do Eurostar na aviação foi gradual", mostra a analista da AOG.

A análise refere ainda que o maior impacto aconteceu nos anos 2000 quando o Eurostar passou a ter uma ligação direta entre a Estação Internacional de St Pancras e Waterloo.

"Foi um alívio para as companhias aéreas com rotas entre Londres e Paris, e para os vários aeroportos que servem este mercado, que o tráfego aéreo não tenha desaparecido da noite para o dia com o Eurostar. A redução nos volumes de tráfego foi provavelmente mais lenta do que se antecipava, e o mercado mostrou uma surpreendente resiliência", revela o estudo.

Nesta altura, com a linha de alta velocidade, o tempo de viagem também foi reduzido das iniciais três horas, para 2 horas e 16 minutos. Em tempo, a viagem de avião ainda ganha: 94% dos voos estavam tabelados para chegar em 75 minutos, em 2010, mas, os atrasos e problemas nas operações são notados pela consultora como um ponto negativo para este setor. Atualmente apenas 48% das companhias projetam a ligação entre Londres e Paris para uma hora e 15 minutos, sendo mais comum apontarem para 01h25 minutos.

"Tendo por base que a análise que compara os tempos de viagem, um dos principais aspetos da escolha dos passageiros, está correta, e a possibilidade de confiar no tempo estimado também, então não há boas notícias para as companhias aéreas ou para os aeroportos", nota Becca Rowland do AOG, que projeta para o Eurostar um futuro mais risonho e o agravar das "desvantagens competitivas do transporte aéreo" nesta ligação.

Afinal, são só 350 quilómetros.

jornalista do Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...