Centeno prepara corte na despesa à custa da saúde e educação

A Comissão Europeia diz que o corte nas chamadas "gorduras" do Estado deve gerar uma poupança de 236 milhões de euros.

Metade da poupança prevista este ano por Mário Centeno na revisão da despesa será feita à custa da saúde e da educação. A conclusão é da Comissão Europeia que publicou esta quinta-feira o relatório da nona missão de avaliação pós-programa de ajustamento, que decorreu, em Lisboa, entre os dias 26 e 30 de novembro de 2018.

No documento divulgado ao final da tarde, Bruxelas refere que se "espera uma poupança de 236 milhões de euros no setor público em 2019. Cerca de metade do lado da saúde e da educação, enquanto as medidas no sistema de justiça, na administração interna, bem como o uso mais eficiente dos ativos públicos e o uso crescente de compras centralizadas devem contribuir com a outra metade." Ou seja, 118 milhões de euros resultam de poupanças na saúde e na educação.

A análise da Comissão Europeia (CE) tem por base ainda o esboço (draft) do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) enviado pelo governo ao executivo comunitário em outubro do ano passado.

Nesta avaliação, Bruxelas volta a alertar para a sustentabilidade financeira do sistema de saúde no curto-prazo, apesar de reconhecer "algumas melhorias ao longo de 2018". A CE sublinha os elevados níveis de dívidas em atraso que em outubro de 2018 "permaneciam em cerca de 850 milhões de euros."

A pressão da Função Pública

Na avaliação, a Comissão Europeia volta a alertar para os riscos de a despesa com pessoal furar as metas do governo. "O número de funcionários públicos e a massa salarial continuam a pressionar a despesa que pode ultrapassar os próprios objetivos orçamentais das autoridades", referem os técnicos de Bruxelas.

A CE lembra ainda que o programa de integração de precários, a extensão das 35 horas semanais ao setor da saúde com contratos individuais e o descongelamento das progressões que se "traduzem num aumento da despesa salarial em 2,6% em termos nominais em 2018."

Empregos pouco qualificados

No capítulo do mercado laboral, a Comissão Europeia refere que o "emprego pouco qualificado continua a aumentar entre as subidas do salário mínimo", lembrando que os sucessivos aumentos na retribuição mínima mensal deixam Portugal entre os países da União Europeia com uma diferença mais pequena entre o salário mínimo e mediano, conduzindo a uma compressão da distribuição salarial."

O relatório sublinha que o emprego pouco qualificado aumentou a uma taxa de quase três pontos percentuais no primeiro semestre de 2018.

Paulo Ribeiro Pinto é jornalista do Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.