Casas de luxo em Lisboa mais caras do que no Dubai e ao nível de Miami

Lisboa, Moscovo e Sidney são as três cidades mundiais onde o preço do metro quadrado mais deverá crescer este ano, com oscilações entre 6% a 7,9%.

Comprar uma casa de luxo de 100 metros quadrados em Lisboa já custa perto de um milhão de euros. Em 2019, o segmento prime da capital portuguesa atingiu um nível de preços semelhante a cidades como Miami, nos Estados Unidos, e Amesterdão, na Holanda.

O mercado residencial de luxo de Lisboa já ultrapassa Madrid, Barcelona, Dubai e Cidade do Cabo. As conclusões fazem parte de um estudo apresentado esta quinta-feira pela consultora imobiliária Savills, que analisa a evolução do mercado residencial em Portugal.

De acordo com a análise da Savills, os valores do "top 5%" do mercado imobiliário da capital vão continuar a subir em 2020. Lisboa, Moscovo e Sidney são as três cidades mundiais onde o preço do metro quadrado mais deverá crescer este ano, com oscilações entre 6% a 7,9%.

A consultora destaca o papel dos investidores estrangeiros, que em 2018 compraram 13% das casas vendidas em Lisboa, mas gastaram 28% do montante total transacionado no mercado imobiliário da capital. Os franceses, detalha o estudo, preferem as zonas da Avenida da Liberdade, Amoreiras Estrela e Príncipe Real, e compram em Lisboa para morar ou para ter uma segunda residência.

Os brasileiros mostram preferência pelas mesmas zonas, às quais se juntam ainda as imediações do El Corte Inglés. Compram também para residir ou para segunda habitação, mas também para obter uma autorização de residência através de visto gold. Os chineses, por sua vez, não demonstram interesse por nenhuma zona em particular, e investem sobretudo para obter o visto dourado.

Entre 2012 e 2019 foram emitidos 8207 vistos gold, 7735 dos quais através da aquisição de imóveis. Dos cinco mil milhões de euros investidos através deste mecanismo, 4,5 mil milhões foram aplicados em imobiliário. Para os responsáveis da Savills, a imposição de um limite aos vistos gold em Lisboa e no Porto, prevista no Orçamento do Estado, não deverá ter impacto no preço das casas, mas poderá criar "insegurança" nos investidores. Em 2019, foram transacionados 25 mil milhões de euros no mercado imobiliário, 3% dos quais são atribuíveis a vistos gold.

Reabilitação domina Lisboa e Porto

Segundo a análise da Savills, que tem por base dados do INE e do sistema Pipeline Imobiliário, entre 2015 e 2015 o mercado imobiliário em Lisboa e no Porto foi dinamizado, sobretudo, através de reabilitação urbana. No ano passado, 72% dos projetos executados na capital foram reabilitações de imóveis. Nos próximos anos a tendência será semelhante nas duas maiores cidades do país, apesar de estar previsto um aumento da construção nova.

Com base nos pedidos de licenciamento para apartamentos feitos entre janeiro de 2018 e setembro do ano passado, os analistas da Savills estimam que surjam na Área Metropolitana de Lisboa cerca de 15 mil novos fogos nos próximos três anos, metade dos quais no município de Lisboa. Seguem-se Oeiras, Amadora e Cascais. No município de Lisboa, 51% dos fogos e 68% dos projetos serão afetos à reabilitação urbana, que se deverá concentrar sobretudo nas freguesias do centro histórico.

Na Área Metropolitana do Porto as previsões apontam para o surgimento de 11 600 novas unidades, 5830 das quais no município do Porto, seguido de Vila Nova de Gaia e Matosinhos. Aqui, o rácio entre a reabilitação e a construção nova é menos desigual: 43% das casas e 60% dos projetos no Porto serão parte do segmento da reabilitação urbana. O centro histórico vai concentrar 42% dos novos fogos. Os analistas antecipam um "forte crescimento" de zonas como Paranhos e Campanhã.

A análise inclui ainda o Algarve, que tem em pipeline para os próximos três anos 4400 novas habitações, concentradas sobretudo em Quarteira, Portimão e Faro. No sul do país, 96% das novas unidades serão construídas de raiz, e apenas 4% dizem respeito a reabilitação. Em 2019, o maior projeto do país foi licenciado em Armação de Pêra, e prevê a construção de 256 novos fogos.

Uma das tendências dos próximos anos no Algarve será o surgimento de branded residences, um segmento que existe no mercado desde os anos 80 mas que só agora começa a chegar a Portugal. Em março de 2021, a primeira branded residence nacional abrirá portas em Albufeira, e será da W Hotels, a submarca de luxo dos hotéis Marriot. O projeto inclui um hotel com 134 quartos e 83 villas de luxo. As dez primeiras unidades já estão vendidas, e todos os investidores são de nacionalidades distintas, sendo que apenas um é português.

No chamado "triângulo dourado" do Algarve, formado por Vilamoura, Vale do Lobo e Quinta do Lago, vão surgir 1400 novas casas de luxo, com um preço médio de 7 mil euros por metro quadrado.

jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG