BCE corta taxa de depósito para -0,5% e regressa às compras

Mario Draghi não desiludiu os mercados e cortou na taxa de depósito dos bancos em dez pontos base. E reinicia Quantitative Easing em novembro.

O Banco Central Europeu acaba de anunciar mais um pacote de estímulos económicos com cinco ferramentas. A primeira das quais tem a ver com as taxas: o corte para os depósitos dos bancos é de 10 pontos base, de -0,4% para -0,50%. A taxa diretora mantém-se nos 0,0%.

Os pormenores das decisões desta quinta-feira vão ser avançados pelo presidente do BCE, Mario Draghi, a partir das 13:30, podendo acompanhar em direto aqui (janela em baixo).

E desta vez os estímulos não têm data para terminarem. Por exemplo no caso das taxas de juro, o Conselho de Governadores refere que "espera agora que as principais taxas de juros do BCE permaneçam nos seus níveis atuais ou mais baixos até que as perspetivas da inflação convirjam de forma robusta para um nível suficientemente próximo, mas abaixo de 2%", ou seja, não há indicação de calendário para uma subida das taxas (até agora apontava-se meados do próximo ano).

Em relação aos restantes estímulos, o BCE regressa às compras de ativos a um ritmo de 20 mil milhões de euros por mês já a partir do dia 1 de novembro. E mais uma vez sem data para o seu fim. "O Conselho de Governadores espera que se mantenham o tempo necessário para reforçar o impacto acomodatício e termine pouco antes de começar a aumentar as principais taxas de juros do BCE", refere o comunicado emitido no final da reunião desta quinta-feira, dia 12 de setembro.

O BCE vai manter o programa de reinvestimento dos lucros com as dívidas soberanas adquiridas no âmbito do anterior programa de compra de ativos aos bancos, até ao momento de uma subida das taxas de juro ou "até que seja necessário para manter condições de liquidez favoráveis", refere o comunicado.

Em relação ao TLTRO III (Targeted Longer-Term Refinancing Operations), o comunicado refere que as "modalidades vão ser alteradas para preservar as condições favoráveis de empréstimos bancários, assegurando uma transmissão suave da política monetária", além disso, "a taxa de juros em cada operação será definida ao nível da taxa média aplicada nas principais operações de refinanciamento do Eurosistema ao longo da vida do respetivo TLTRO", indica a nota do BCE.

O Banco Central anuncia ainda um novo sistema de remuneração dos depósitos dos bancos parqueados no BCE, de forma a incentivar a transmissão monetária.

(em atualização)

Leia mais em Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.