Bancos dão ordem de penhora à coleção de arte de Joe Berardo

CGD, BCP e Novo Banco tentam recuperar cerca de 500 milhões de euros

A Caixa Geral de Depósitos (CGD), o BCP e o Novo Banco deram ordem para penhorar a coleção de arte de Joe Berardo, avança hoje o Público. De acordo com o jornal, o empresário tem uma dívida a estes três bancos que chega aos 500 milhões de euros, usados na compra de valores mobiliários.

Segundo o jornal, os três bancos credores querem, contudo, evitar um processo litigioso que se arraste nos tribunais, pelo que estão a decorrer diligências para que seja possível alcançar um acordo.

E há alguns detalhes por esclarecer, uma vez que falta saber se o tribunal reconhece como "títulos executivos" os títulos da Associação da Fundação Berardo. Se não o fizer, conta o Público, será difícil aos bancos executar as dívidas.

Questionado pelo jornal acerca da penhora, Joe Berardo encaminhou para o advogado, André Luís Gomes, o qual recusou fazer comentários por se tratar de um assunto sigiloso.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.