Bancos aumentam anuidade do cartão multibanco em 28%

Banca está a agravar as comissões para compensar a perda de receita devido à queda dos juros. Anuidade já duplicou desde 2011

O cartão de multibanco que tem na carteira está cada vez mais caro. Os bancos estão já a cobrar, em média, 15,17 euros pela anuidade de um cartão de débito. Mais 28% do que há um ano, segundo as contas da Deco. Desde 2009 que tem sido sempre a subir: mais 120%. "A única justificação é a procura de receita da parte dos bancos", refere Nuno Rico, economista da Deco Proteste. Os bancos carregam nas comissões para compensar a quebra nas receitas resultante da descida acentuada das taxas de juro, em muitos casos já negativas. "O aumento das anuidades é 56 vezes superior à subida da inflação", reforça o economista.

Os números falam por si: entre 2009 e 2015 as comissões cobradas pelos bancos subiram cerca de 10% ao ano, valor que acelerou no último ano, em que a subida quase que triplicou. A maior subida foi a do Deutsche Bank. "No espaço de um ano o valor cobrado pelo banco alemão aumentou 150%: de 10,40 euros em 2015 para 26 euros neste ano", diz Nuno Rico. Apenas o Banco CTT e o banco online ActivoBank não cobram comissões pelo cartão de débito, de acordo com a análise da Deco Proteste.

A Caixa Geral de Depósitos apresenta a segunda maior anuidade: 18,72 euros. Um valor acima da média dos cinco bancos com maior quota de mercado (BPI, Novo Banco, CGD, Millennium bcp e Santander Totta): 16,94 euros. Valor que já é mais elevado do que a média de mercado (15,17 euros).

No caso do Banco Popular, BBVA e do Crédito Agrícola os clientes tiveram de pagar neste ano mais 50% do que em 2015. No último ano apenas o BiG, o BIC, o BPI, o Bankinter (antigo Barclays) e o Santander Totta não subiram as comissões. "Os aumentos costumam ter um efeito de contágio. Mais cedo ou mais tarde, os outros bancos acabam por subir."

No caso dos bancos online, "o Best é o único que cobra acima da média de mercado (15,60 euros), o ActivoBank não cobra comissão e o BiG cobra um valor abaixo da média (7,80 euros)", descreve o economista.

Uma oportunidade de poupança pode estar nos cartões de crédito duais, que tanto funcionam na rede Visa, Mastercard ou American Express como na rede multibanco, permitindo fazer operações como levantamentos ou transferências sem custos adicionais.

"Dos 17 bancos analisados, cerca de um terço têm cartões duais, mas em apenas quatro casos isso permite poupança, sem qualquer mas face aos cartões de débito", destaca Nuno Rico.

Dos casos detetados pela Deco Proteste, a maior poupança é com o cartão dual Caixa IN, da CGD. Ao abdicar do cartão de débito, poupa 18,72 euros, mais de 1,50 euros/mês. Logo a seguir surge o cartão NB Verde do Novo Banco - sem anuidade é uma opção a ter em conta face aos 17,68 euros de comissão cobrados por um cartão de débito; depois, o Crédito Agrícola, cujo cartão CA&Companhia permite uma poupança de 14,56 euros e, por fim, o BIC. O BIC Soft não tem qualquer custo, permitindo poupar 13 euros se renunciar ao cartão de débito.

O aumento descontrolado das anuidades nos cartões de débito levou já a Deco a pedir a intervenção do Banco de Portugal e dos grupos parlamentares

Exclusivos