ASAE apreende cerca de 1300 brinquedos e instaura 27 contraordenações

Na Operação Brincar foram fiscalizados 250 operadores económicos que vendiam brinquedos.

A ASAE apreendeu cerca de 1300 brinquedos, no valor aproximado de 12 mil euros, e instaurou 27 processos de contraordenação durante uma operação de fiscalização realizadas nas primeiras semanas de novembro em todo o país, indicou hoje aquele organismo.

Em comunicado, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) adianta que durante esta ação, denominada Operação Brincar, foram fiscalizados 250 operadores económicos que vendiam brinquedos.

A ASAE realizou, nas primeiras semanas de novembro em todo o país, uma operação de fiscalização para verificar a segurança dos brinquedos, tendo em conta o início da época de Natal.

Esta fiscalização teve como objetivo garantir que sejam disponibilizados no mercado brinquedos seguros, bem como promover o bom funcionamento do mercado interno.

Segundo a ASAE, as principais infrações estavam relacionadas com a violação das obrigações relativas aos avisos constantes nos produtos, o incumprimento dos deveres dos distribuidores, a violação das regras e condições de aposição da marcação "CE", a falta de informações obrigatórias por parte dos importadores e a violação dos requisitos essenciais de segurança.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.