Agência alemã afasta bolha no imobiliário em Portugal

A Scope Ratings admite perigo nos preços em algumas zonas do país, mas rejeita a hipótese de existir sobrevalorização no mercado

A subida no preço das casas em Portugal tem sido imparável nos últimos anos. E há segmentos que apresentam sinais de risco, segundo a Scope Ratings. No entanto, a agência alemã descarta que existam indicações de que se esteja a formar uma bolha no mercado que possa vir a ter impacto na economia do país.

"Não se antevê indicações de que se esteja a desenvolver uma bolha no preço da habitação", defendeu a agência num relatório divulgado ontem e a que o DN/Dinheiro Vivo teve acesso. A análise estende-se à chamada periferia da zona euro. Segundo a Scope Ratings, desde a grande crise financeira os preços das casas subiram quase 27% em Portugal em termos reais. O aumento é superior aos 17% verificados em Espanha, mas inferior aos quase 60% na Irlanda.

A Scope considera que esses aumentos são uma recuperação das quedas observadas durante a crise, que deixaram o imobiliário subavaliado. Mas refere que, em economias como a portuguesa, "o investimento estrangeiro faz aumentar, até certo ponto, o perigo de subidas exuberantes mas limitadas a poucos segmentos". A Scope nota que o apetite de estrangeiros por casas em Portugal subiu desde 2009, devido a alterações fiscais, e que tem aumentado de forma contínua.

O Banco de Portugal tinha já referido neste mês no Relatório de Estabilidade Financeira que o interesse de estrangeiros era uma das principais causas da subida dos preços em Portugal.

O supervisor alertava para a existência de "alguns sinais, embora muito limitados, de sobrevalorização dos preços". E referia que "a relevância de investidores não residentes neste mercado aumenta a vulnerabilidade a subidas abruptas e significativas dos prémios de risco a nível internacional, dado o ajustamento mais célere que tende a caracterizar estes investidores".

Mais subidas estão limitadas

Apesar do ritmo rápido das subidas nos preços das casas, os analistas da Scope Ratings defendem que essa velocidade nos aumentos vai ficar mais moderada. "Não se antecipa uma aceleração forte daqui para a frente", dizem os analistas da agência. Pelo menos até "as taxas ainda elevadas de desemprego descerem de forma significativa. Sem mais emprego e sem uma subida sólida dos salários, a procura interna por habitação continuará fraca".

No caso de Portugal, a agência sublinha que apesar de "ter recuperado cerca de 450 mil dos 800 mil empregos perdidos durante a crise financeira (reduzindo a taxa de desemprego para 7,4% em abril), os inativos desencorajados ainda são mais de 10% da força de trabalho disponível, o que restringe uma geração mais forte de rendimento".

Apesar de descartar o cenário de uma bolha especulativa, a Scope admite que existe o risco de desvalorização das casas, o que poderia afetar a qualidade de crédito dos bancos. Mas a agência considera que o setor português está agora mais bem capitalizado e tem feito progressos na redução do malparado. A entidade alemã tem um rating de BBB para a dívida pública portuguesa, dois níveis acima de lixo.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG