CMVM levanta suspensão da negociação de ações da Mota-Engil

Mota-Engil diz desconhecer motivos que justificam queda das ações. Os títulos chegaram a cair 21,64%

O supervisor do mercado português levantou a suspensão da negociação das ações da Mota-Engil, depois de a construtora ter comunicado que desconhece os motivos que poderão justificar a forte queda da cotação das suas ações na sessão de hoje.

"O Conselho de Administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) deliberou o levantamento da suspensão da negociação das ações da Mota-Engil, SGPS, SA, por terem cessado os motivos que justificaram a suspensão", informou em comunicado a entidade liderada por Carlos Tavares.

A Mota-Engil afirmou que desconhece os motivos que poderão justificar o comportamento da cotação das suas ações na sessão de hoje e reitera a sua estratégia de alienação de ativos na atividade da engenharia e construção.

Num esclarecimento enviado ao mercado, o grupo referiu que "desconhece qualquer facto que possa minimamente justificar o comportamento da cotação da sua ação" e reiterou que na atividade da engenharia e construção a estratégia passa pela "alienação de ativos com nível elevado de maturidade (nomeadamente nos segmentos das concessões de transporte e logística) e que tem sido efetuada com reconhecido sucesso".

Esta manhã, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) suspendeu a negociação das ações da Mota-Engil no índice PSI20, cujos títulos chegaram a cair 21,64% para 1,13 euros.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.