Hackearam robô de cozinha do Lidl e descobriram um microfone escondido

Sistema operativo do robô de cozinha do Lidl não é atualizado desde outubro de 2017. Cadeia de supermercados garante que segurança está assegurada.

Surgiu como um desafio, mas rapidamente se transformou numa grande descoberta. Alexis Viguié e Adrien Albisetti são dois amigos franceses amantes da informática. Os dois foram desafiados a instalar um videojogo no robô de cozinha do Lidl - o Monsieur Cuisine Connect, uma versão low-cost da conhecida Bimby.

Aquilo por que não esperavam ao hackear o aparelho era descobrir um microfone oculto, revela o El País. E mais: o sistema operativo não era atualizado desde outubro de 2017.

"Não acreditamos que o Lidl tenha a intenção de nos espiar", diz Adrien Albisetti ao diário espanhol. Apesar de ter usado pouco o robô de cozinha, conta que "funciona muito bem". Mas considera importante que se saiba que a "versão para Android é antiga e vulnerável a piratas informáticos que podem conseguir chegar ao controlo do aparelho e ouvir o som ambiente através do microfone". Ainda que o acesso ao microfone seja limitado, Adrien Albisetti afirma ser importante desligar o aparelho sempre que não está em utilização.

Através de um tutorial, os dois amigos conseguiram desbloquear o interface Android do robô de cozinha e usar o ecrã como se fosse um tablet. A grande surpresa foi quando perceberam que o dispositivo tinha um microfone que parecia estar desativado por padrão, mas em perfeito estado de funcionamento. "Fizemos uma investigação sobre o hardware do robô e foi assim que descobrimos a presença de um microfone ", diz Adrin Albisetti.

Em resposta ao jornal espanhol, o Lidl indicou que o microfone está desativado e que a "segurança do Monsieur Cuisine está garantida". A cadeia de supermercados salienta ainda que o microfone está pensado para "futuras funcionalidades como o controlo de voz, tal como acontece com outros eletrodomésticos de características similares".

"Se o controlo de voz chegar no futuro, mediante uma atualização do software, o microfone só pode ser ativado depois do consentimento expresso do utilizador", explica o Lidl. "Atualmente, só um uso fraudulento e mal-intencionado do produto pode ativar o microfone".

Adrien Albisetti explica que é "perigoso ter um sistema operativo antigo porque este fica mais vulnerável". O especialista em informática dá o exemplo: uma pessoa que hackeia o robô poderia "ouvir através do microfone, usar o aparelho como fonte de um ataque massivo ou instalar programas maliciosos".

O Monsieur Cuisine comercializa-se em muitos países onde o Lidl marca presença, como o Reino Unido, França, Alemanha e Espanha. Está também prevista a sua chegada a Portugal.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?