Vizela. Dos dias negros e da recuperação em 2017 ao sonho de tombar o Benfica

O adversário do Benfica na Taça de Portugal lidera a sua série no Campeonato de Portugal e dispõe de condições de trabalho ao nível do escalão principal. Entrada de investidor estrangeiro em 2017 foi grande ajuda. Presidente da SAD e treinador acreditam que os encarnados podem cair este sábado.

30 de junho de 2009 foi o dia mais negro da história do FC Vizela, quando o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) confirmou a descida de divisão do clube da Liga de Honra para a II Divisão B. Isto por ter sido provada corrupção num jogo da temporada de 2003/04 envolvendo o clube do concelho de Braga.

Essa descida de divisão marcou a vida do clube, que havia terminado a época de 2008/09 num confortável 10º lugar na Liga de Honra. É verdade que em 2015/16 conseguiu o regresso ao segundo escalão, mas só se aguentou no campeonato profissional na temporada seguinte, tendo cumprido todas as outras campanhas no terceiro escalão.

A partir do verão de 2017 começaram a soprar ventos de mudança no clube, com a constituição de uma SAD que permitiu a entrada de capital de Edmund Chu. Refira-se que no mesmo ano, este investidor, nascido no Canadá e com ascendência chinesa, juntou-se a Gerard Piqué, jogador do Barcelona, e a Hiroshima Mikitani e fundaram a Kosmos, que assegurou os direitos da organização da Taça Davis, a mais antiga prova de ténis do mundo.

Edmund Chu injetou dinheiro no Vizela, que foi canalizado essencialmente para a melhoria das infraestruturas. Foram construídos três novos relvados. Um natural e dois sintéticos, um dos quais com as dimensões de um campo de futebol de sete. O sistema de iluminação e o ginásio foram remodelados e depois seguiram-se os balneários e as bancadas. E também passou a haver condições para contratar jogadores com outra qualidade.

Os resultados começaram a aparecer. Em 2017/18 e 2018/19, o Vizela conseguiu o acesso à fase final do Campeonato de Portugal, mas em ambas as ocasiões o Vilafranquense foi desmancha-prazeres nos quartos-de-final. Falta dar o passo final para aceder à II Liga, sendo que na atual campanha o clube lidera a Série A e assume-se como candidato legítimo à subida.

Presidente da SAD acredita na eliminação do Benfica

É neste contexto que surge a visita do Benfica, em jogo da quarta eliminatória da Taça de Portugal, jogo marcado para este sábado, às 20h45, e que terá casa cheia. Diogo Godinho, presidente da SAD do Vizela, sublinha a expectativa que existe na cidade perante a visita dos encarnados, mas assegura que o plantel não está nervoso.

"Vai um grande rebuliço em Vizela, como é natural. Houve uma intensa corrida aos bilhetes e todos falam neste jogo. No entanto, o grupo está tranquilo e preparado para enfrentar o campeão nacional", assegura ao DN. O dirigente do Vizela sublinha que não foram necessárias grandes obras no estádio. "Felizmente, é um recinto com capacidade para receber qualquer jogo. Só necessitámos de ampliar a bancada de imprensa", nota.

E será possível bater o pé ao atual líder da I Liga, seguindo o exemplo do Alverca, outra equipa do Campeonato de Portugal, que tombou o Sporting na eliminatória anterior? "Todos sabemos das dificuldades que nos esperam, pois vamos defrontar um grande clube, que é campeão nacional em título. No entanto, a bola é redonda e não seria a primeira vez que um clube pequeno afastaria um gigante da Taça de Portugal", realça.

E será que Diogo Godinho irá dar um prémio de jogo chorudo aos seus jogadores, em caso de triunfo? "Sinceramente, nem pensei nisso, nem isso foi tema de conversa com o plantel. A verdade é que o maior prémio de jogo é ter a possibilidade de jogar com uma grande equipa como o Benfica. De resto, todos nós encaramos esta partida como um extra e na nossa cabeça está bem claro que a prioridade é o Campeonato de Portugal", faz questão de referir.

Vitória para dedicar ao sócio número 1

No meio da euforia em redor da visita do Benfica, o Vizela viveu um momento de profunda tristeza, com a morte do seu sócio número 1, Guilherme Teixeira, que foi um dos fundadores do clube em 1939, quando tinha apenas 13 anos.

"Gostaríamos muito de lhe dedicar a vitória com o Benfica. A FPF concedeu-nos um minuto de silêncio no jogo do passado fim de semana com o AR São Martinho, mas infelizmente não lhe conseguimos oferecer o triunfo [o resultado final foi 0-0]. Pode ser que essa oportunidade surja já este sábado", antevê.

Ficou célebre a frase de João Pinto, antigo capitão do FC Porto, quando afirmou "o meu coração só tem uma cor, azul e branco". Essa é também a posição do presidente da SAD do Vizela, clube que tem as mesmas duas cores no equipamento.

"O meu clube é o Vizela e mais nenhum. Acordo e deito-me a pensar no Vizela. E acredito que a esmagadora maioria da população local irá torcer por nós neste sábado. Mas tenho a noção de que existe uma pequena fação que nunca sairá triste no final do jogo, pois é formada por pessoas que simpatizam com o Benfica", referiu.

Diogo Godinho garante que o Vizela passa por um excelente momento a nível desportivo. "O clube profissionalizou-se a partir da entrada do investidor, em 2017. De uma estrutura amadora passou-se para uma estrutura totalmente profissional e as infraestruturas de treino melhoraram muito. Tomara a muitos clubes da II Liga e mesmo a alguns da I Liga disporem das condições que nós temos para trabalhar", garantiu.

Objetivo final é a I Liga

O presidente da SAD acredita que será no final desta época que a subida ao segundo escalão será consumada. "Temos lutado muito por isso, mas a verdade é que o formato do Campeonato de Portugal não nos tem ajudado. Se fosse uma prova de regularidade, já estaríamos na II Liga, pois ao longo das duas últimas épocas só numa jornada é que não fomos líderes da nossa série. Estamos mais uma vez em primeiro lugar, mas temos de continuar a trabalhar porque ainda falta muito campeonato", sublinhou.

Luís Godinho não esconde que o objetivo final é a I Liga (competição onde o Vizela só esteve na época de 1984/85), mas quer ir com calma. "Por agora, o foco é a II Liga, temos de dar um passo de cada vez. E como o Vilafranquense já não está no Campeonato de Portugal acreditamos que vai ser mesmo desta", atira bem-disposto.

Álvaro Pacheco, um treinador confiante

Álvaro Pacheco é o treinador do Vizela, cumprindo a primeira temporada no clube, depois de ter chegado do Fafe. O técnico de 48 anos garante que não mudou um milímetro nos hábitos de trabalho apenas pelo facto do próximo adversário se chamar Benfica. "Foi uma semana exatamente igual às outras, com trabalho minucioso e com foco total no próximo adversário, que por acaso é o Benfica", referiu ao DN.

O técnico da formação da AF de Braga acredita que pode haver Taça este sábado. "Claramente. Antes dos jogos não há vencedores antecipados. Temos de manter a concentração a níveis elevadíssimos e sermos uma equipa solidária e organizada. Acredito que se estivermos dentro do que costuma ser a nossa matriz de jogo conseguiremos colocar muitos problemas ao Benfica", prevê.

Álvaro Pacheco tem consciência de que "será um jogo de enorme grau de dificuldade, mas o sentimento do grupo é mostrar a qualidade que tem e a qualidade que existe em muitas equipas do Campeonato de Portugal e que lutam arduamente para chegar a outros patamares competitivos".

O técnico do Vizela diz que o clube da Luz não é invencível. "Obviamente já encontrei pontos fracos no Benfica e em conjunto com a minha equipa técnica temo-nos concentrado em estabelecer uma estratégia para colocar grandes dificuldades a uma grande equipa como é o Benfica", referiu.

Tem a certeza de que vai chegar à I Liga

Quando questionado sobre a percentagem de favoritismo da sua equipa, preferiu não responder. "A obrigação de passar a eliminatória está toda do lado do Benfica. Nós só queremos desfrutar do momento e a nossa obrigação é jogar dentro da nossa ideia habitual, não traindo as nossas convicções", assumiu.

Na anterior eliminatória da Taça de Portugal, o Sporting caiu aos pés do Alverca, uma equipa do Campeonato de Portugal. Sem querer dizer se considera o Vizela mais forte ou não, Álvaro Pacheco sublinha que "já existem várias equipas totalmente profissionais neste escalão e por isso não constituiu surpresa esse resultado, que demonstra o bom trabalho que tem sido efetuado neste escalão."

Álvaro Pacheco assume que "todos temos sonhos e objetivos para as nossas carreiras" e que o da sua equipa técnica "é chegar a curto prazo à I Liga", não tendo dúvidas de que um dia irá conseguir. No entanto, realça que "para já, o foco é total neste projeto do Vizela".

O técnico do Vizela deixa grandes elogios ao seu homólogo do Benfica, Bruno Lage. "Construiu a sua carreira na formação e como adjunto e foi criando a sua ideia de jogo bem definida. Quando surgiu a oportunidade, não a desperdiçou e foi campeão nacional. Tem realizado um trabalho que está à vista de todos e incluo-o no lote de excelentes treinadores portugueses da atualidade", refere.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG