Van Wolfswinkel tem um aneurisma cerebral e vai ser operado

O problema do antigo avançado do Sporting foi descoberto na sequência dos exames que realizou após se ter lesionado na cabeça no jogo com o Linz para a Liga dos Campeões.

Ricky van Wolfswinkel, antigo avançado do Sporting, vai ser operado nos próximos dias para debelar um aneurisma cerebral, que foi descoberto na sequência dos exames que realizou após a partida que o Basileia realizou com os austríacos do LASK Linz, a contar para a primeira mão da terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões.

Nessa partida realizada a 7 de agosto, o jogador sofreu uma concussão na cabeça no final da partida tendo por isso sido submetido a exames que revelaram o problema no cérebro. Num vídeo publicado no site oficial e nas redes sociais do Basileia, Van Wolfswinkel explicou que lhe foi diagnosticado "um pequeno balão nos vaos sanguíneos", razão pela qual terá de ser submetido a uma intervenção cirúrgica, que o obrigará a um tempo de paragem entre os seis meses e um ano.

"Os médicos do clube mandaram-me para o hospital, inicialmente foi-me diagnosticada uma concussão, mas também uma aneurisma cerebral, que é um pequeno balão nos vasos sanguíneos, que no caso de rebentar pode causar uma hemorregia que poderá colocar a vida em risco. Quero clarificar que o que aconteceu no jogo nada tem a ver com este problema. Nunca tive qualquer sintoma do aneurisma por isso é que não sabimos da sua existência. Vou ser submetido a um tratamento, o que significa que não vou estar apto para jogar futebol durante um longo tempo, será pelo menos seis meses, mas dependerá sempre da reação do cérebro aos tratamentos", disse.

O avançado de 30 anos mostrou-se ainda "muito grato" aos médicos "pelo facto deo aneurisma ter sido descoberto, porque normalmente se não for descoberto atempadamente, porque quando é diagnosticado demasiado tarde pode romper e causar danos".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.