Três grandes do norte. Regresso frio de Bonucci à Juve

Leonardo Bonucci volta a Turim depois de um ano no AC Milan e de ter começado a carreira no Inter. Foi o 11.º jogador do calcio a representar os três grandes do norte. Para Milão seguiram Higuaín (18 milhões+36 milhões) e Caldara.

Leonardo Bonucci esteve ligado quatro épocas ao Inter, mas só fez quatro jogos por um dos três gigantes do norte. Em 2010, foi para Turim e ganhou seis campeonatos consecutivos, falhando o hepta porque decidiu ir para o AC Milan há um ano. Tempo de sobre para querer voltar à Juventus. Na história do calcio, é o 11.º jogador a representar os três grandes do norte.

O negócio entre a Juventus e o Milan explica-se pela vontade do jogador em regressar a Turim e o interesse do Milan num goleador com cerca de 20 golos por época: Gonzalo Higuaín. Os dois emblemas puseram-se a pensar em como resolver a disparidade de cotações (Higuaín custou 90 milhões de euros há dois anos, oriundo do Nápoles; Bonucci estava avaliado em 40 milhões de euros).

Entrou Caldara, contratado à Atalanta há um ano e lá deixado a rodar. Na prática, os dois clubes trocaram defesa por defesa, mas o Milan pagará 18 milhões de euros por um ano de empréstimo do ponta-de-lança argentino, tendo de pagar mais 36 milhões de euros em 2019 para ficar com o passe. A saída de Higuaín está relacionada com a chegada de Cristiano Ronaldo, que a Juve contratou por 114 milhões de euros ao Real Madrid.

Bonucci teve uma receção fria no regresso a Turim, sem adeptos a esperá-lo no aeroporto. Apesar de ser um clássico a troca de emblemas nos chamados três grandes do norte (Juventus, Inter e Milan), os adeptos dos bianconeri não parecem ainda em condições de desculpar a "traição" de Bonucci. Talvez quando a sua qualidade fizer diferença no eixo defensivo da equipa de Massimiliano Allegri.

11 jogadores nero-bianco-rosso-azzurro

A história de jogadores a representarem os três maiores do norte de Itália começa bem longe, na segunda e terceira décadas do século XX. Luigi Cevenini estreou-se no Milan em 1911, mas um ano depois vai para o rival Inter. Em 1915, volta ao Milan, até 1919. Joga ainda mais duas vezes no Inter (1919-1921 e 1922-1927) antes de completar o ciclo de ouro do norte. De 1927 a 1930, joga pela Juventus.

O segundo foi o grande Giuseppe Meazza (que ficou conotado de tal forma com o Inter que os adeptos do Milan chamam S. Siro, bairro onde está localizado, ao estádio partilhado com o vizinho batizado com o nome do jogador). Meazza esteve no Inter 14 anos (1927-1940 e 1946/47). Pelo meio, o AC Milan (1940-1942) e a Juventus (1942/43).

Por essa altura, Enrico Candiani desenhava uma carreira que passaria pelos neroazzurro (Inter), nerorosso (AC Milan) e bianconero (Juventus). Esteve no Inter de 1938 a 1946, na Juventus em 1946/47 e no Milan em 1949/50.

Um salto de 35 anos leva-nos aos anos oitenta e a Aldo Serena. Começa no Inter em 1978, é emprestado a três clubes, o último o Milan, que em 1982 estava na Série B. Em 1985 rompe com os nerazzurro e vai para a Juventus. Em 1987, volta ao Inter e termina a carreira no Milan, jogando até 1993. Nota: é o único que foi campeão pelos três. Juventus (1985/86), Inter (1988/89) e Milan (1991/92 e 1992/93).

E agora, Roberto Baggio. Chega à Juventus em 1990 depois de se valorizar na Fiorentina. Ganha a Bola de Ouro e o scudetto. Em 1995-1997, joga no Milan. Faz uma curta escala em Bolonha, antes de se mudar para o Inter em 1998, ficando até 2000.

O primeiro não-italiano a fazer os três grandes do norte foi Edgar Davids. E só não foi feliz em Milão, começando no Milan (1996/97). Em 1997, muda-se para a grande Juventus de Lippi (três campeonatos: 1997/98, 2001/02 e 2002/03), saindo em 2004 para uma curta passagem no Barcelona e fazendo uma época no Inter.

E o segundo foi Patrick Vieira. Sai do Cannes para o Milan (1995/96), mas tal como o holandês não é feliz. Muda-se para Londres e torna-se num ícone do Arsenal (1996-2005: três campeonatos, quatro Taças e três Taças da Liga). Em 2005-2006, passa discretamente na Juventus e muda-se para o Inter, permanecendo quatro anos antes de se mudar para os Estados Unidos (New York City).

Chega a vez de Christian Vieri, que passou por 13 clubes. A Juve em 1996/97 e o Inter entre 1999-2005. Com surpresa, troca de rivais dentro da mesma cidade e estádio, mas em 2005/2006 faz apenas 14 jogos pelo Milan e vai para o Mónaco.

Outro grande jogador italiano fez o percurso dos três grandes do norte: Andrea Pirlo. Começa no Inter, onde faz duas épocas (1998/99 e 2000/01), entremeadas por dois empréstimos, e tem o pior período. Em 2001, inicía uma fase dourada de dez temporadas no Milan: dois campeonatos, uma Taça, uma supertaça, duas Champions League, uma Supertaça europeia e um Mundial de clubes. Em 2011, ainda mantinha a fome de ganhar e vai para a Juventus conquistar quatro scudettos, uma Supertaça e uma Taça de Itália.

Zlatan Ibrahimovic podia ser, como Serena, o segundo jogador a ser campeão pelos três. Foi-o no campo pela Juventus nas duas épocas em Turim (2004-2005 e 2005-2006), mas o Calciopoli (escândalo de corrupção que rebaixou a Juve à Série B) retirou esses títulos aos bianconeri. Entre 2006 e 2009, ganhou três campeonatos pelo Inter. Uma época amarga no Barcelona fê-lo regressar a Itália e a Milão. Mas ao Milan, sagrando-se campeão em 2010/2011.

E fechando o ciclo de um onze de luxo, Bonucci. Inter de 2005 a 2009, e mesmo jogando pouco (e tendo rodado em dois clubes) foi campeão em 2005/2006. Após uma temporada em Bari, chega à Juventus em 2010. Até 2017, ganha seis scudettos, três Taças de Itália e uma Supertaça italiana.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.