Pedro Proença vai convidar jovens resgatados para a final four da Taça da Liga

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, vai convidar os jovens resgatados da gruta no norte da Tailândia para estarem presentes na 'final four' da Taça da Liga, informou o organismo

Em comunicado, a LPFP anunciou que Pedro Proença solicitou uma audiência ao embaixador da Tailândia em Portugal, no sentido de "formalizar o convite aos jovens envolvidos no grave incidente numa gruta daquele país" para estarem presentes na fase final da competição, que vai ser disputada em Braga, em janeiro de 2018.

O organismo diz esperar "contribuir para a total recuperação dos previsíveis danos psicológicos causados por este grave incidente, proporcionando a estes jovens uma viagem inesquecível e o convívio com algumas das principais equipas e profissionais do futebol português".

Após um jogo da equipa de futebol Wild Boar da Academia Moo Pa, 12 rapazes, com idades entre os 11 e os 16 anos, e o treinador, de 25, foram explorar a gruta no dia 23 de junho, mas as inundações resultantes das monções bloquearam-lhes a saída e impediram que as equipas de resgate os encontrassem.

Hoje, ocorre o terceiro dia das operações de resgate na gruta de Tham Luang, em Chiang Rai, no norte da Tailândia, tendo em vista a retirada dos quatro jovens e do treinador que ainda permaneciam no interior, depois do salvamento dos outros oito, no domingo e na segunda-feira.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.