Sindicato dos Jogadores sai em defesa de Bruno Fernandes

O organismo presidido por Joaquim Evangelista emitiu um comunicado onde considera "injustos" os ataques que o capitão do Sporting tem sido alvo por causa das imagens em que ele surge a pontapear portas no Estádio do Bessa.

O Sindicato dos Jogadores emitiu esta segunda-feira um comunicado no qual defende Bruno Fernandes, capitão do Sporting, dos "ataques" de que tem sido alvo na sequência dos incidentes que protagonizou há uma semana, no Estádio do Bessa, quando foi filmado pelas câmaras de videovigilância a pontapear as portas do balneário, depois de ter sido expulso.

"O Sindicato dos Jogadores condena todas as ocorrências que constituem um ataque à profissão de futebolista. Condena ainda mais os ataques, injustos, ao caráter de uma pessoa", começa por dizer o comunicado publicado no site oficial.

A mesma nota classifica de "ato irrefletido" os acontecimentos que Bruno Fernandes protagonizou nas imagens "amplamente divulgadas e escrutinadas por diferentes meios de comunicação, sobretudo porque não se aceitam julgamentos de caráter por quem não tem legitimidade desportiva e pessoal para o fazer".

O organismo liderado por Joaquim Evangelista considera ainda que se trata de "um claro exemplo do excesso de cobertura mediática" de algo "que não deve ser feito, por colocar em causa a dignidade dos profissionais envolvidos e da própria modalidade", acrescentando ainda que não existe "uma relação direta e proporcional entre os factos e o julgamento feito na praça pública".

O Sindicato fala em "injustiça para com o jogador Bruno Fernandes, que de forma irrepreensível já se pronunciou sobre o sucedido". Nesse sentido, lembra que "errar é próprio do ser humano, deveria ser a forma como se lida com os erros a ser valorizada".

No mesmo comunicado, é acrescentada uma declaração de Joaquim Evangelista, presidente do organismo: "Enquanto presidente do Sindicato dos Jogadores, quero destacar a integridade, o profissionalismo e a autoridade que, enquanto capitão, o Bruno Fernandes conquistou. A classe, o futebol e o desporto em Portugal, em especial nesta modalidade onde a mobilidade é a regra, obriga a uma maior proteção dos jogadores capazes de influenciar positivamente esta e as próximas gerações. O Bruno Fernandes é, sem dúvida, uma dessas referências. É urgente, por isso, que as vozes dos que protegem o desporto se façam ouvir, na defesa do Bruno e dos demais praticantes e agentes desportivos que todos os dias se entregam e dão o melhor nas suas respetivas profissões, para dignificar o futebol e o país."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG