Sevilha despede treinador após eliminação na Liga Europa

O emblema andaluz despediu Pablo Machín e nomeou Joaquín Caparrós como substituto até ao final da temporada, um dia após a eliminação na Liga Europa, anunciou esta sexta-feira o sexto classificado da I Liga espanhola.

"O Sevilha FC tomou esta sexta-feira a decisão de libertar o antigo treinador do primeiro plantel, Pablo Machín, devido aos maus resultados que a equipa obteve nas últimas semanas. De forma imediata, tomará as rédeas da equipa o diretor geral para o futebol Joaquín Caparrós, que terá como adjuntos Carlos Marchena e Paco Gallardo, além de Antonio Álvarez", indica em comunicado o emblema andaluz, pelo qual atuam os internacionais portugueses Daniel Carriço e André Silva.

A saída de Machín, que chegou ao Sánchez Pizjuán no último verão proveniente do Girona, foi acelerada pela derrota de quinta-feira frente aos checos do Slavia de Praga, por 4-3, após prolongamento, que ditou o afastamento do Sevilha nos oitavos de final da Liga Europa, prova na qual triunfou por três vezes seguidas entre 2013/14 e 2015/16.

Sob comando do técnico de 43 anos, o Sevilha quebrou o início prometedor de temporada, pontuado por três aparições na liderança do campeonato espanhol, ao ter registado apenas seis vitórias em 18 encontros disputados em 2019, que se materializaram na descida ao sexto lugar e na eliminação dos quartos de final da Taça do Rei de Espanha, aos pés do FC Barcelona.

De regresso ao banco está Joaquín Caparrós, que aos 63 anos vai assumir pela terceira vez o cargo de treinador no Sevilha, praticamente um ano depois de ter comandado os últimos jogos da equipa na temporada 2017/18, quando substituiu o italiano Vincenzo Montella.

O treinador espanhol tem 11 jogos pela frente até ao fim da época e começa a dirigir a equipa sevilhana já no domingo, na visita ao reduto do Espanyol, onde completará 500 jogos como treinador no escalão máximo do futebol do país vizinho.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.