Sérgio Conceição: "Resultado inteiramente justo, num jogo difícil"

Quando questionado sobre a saída de Rui Vitória e um possível regresso de Jorge Jesus a Portugal e ao Benfica, respondeu: "Se ele [Jesus] vier, dou-lhe um abraço."

"Foi um jogo difícil, como tínhamos previsto. Primeira parte de grande nível, estou a falar não de futebol espetacular, mas compactos. Criámos três ou quatro ocasiões para fazer golo. Conseguimos fazer um. Ao intervalo, o resultado mais justo seria mais um golo. Na segunda parte, controlámos um futebol mais físico do Aves. Cada falta à entrada do meio campo ofensivo do Aves era uma bola metida na área, com jogadores com capacidade no jogo aéreo e fomos resolvendo os problemas. Poderíamos ter criado mais perigo junto da área adversária. Resultado inteiramente justo, num jogo difícil, contra uma equipa com bons valores individuais". Foi assim que o treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, viu o jogo que terminou com uma vitória portista (1-0) no reduto do Desp. Aves, em jogo da 15.ª jornada da Liga.

Sobre a derrota do Benfica e o segundo lugar do Sporting, o técnico preferiu olhar para o que lhe diz respeito: "Estamos atentos aos adversários, mas o mais importante é o foco no que podemos e devemos fazer. É sempre importante olhar para os nossos adversários, mas mais importante é olhar para a nossa equipa."

Quando questionado sobre a saída de Rui Vitória e um possível regresso de Jorge Jesus a Portugal e ao Benfica, respondeu: "Se ele [Jesus] vier, dou-lhe um abraço."

José Mota: "Entrámos com receio do FC Porto e não sei porquê"

No final do jogo o treinador do Desportivo das Aves, José Mota, falou à Sport TV1, e admitiu algum receio do adversário na primeira parte. "Estivemos melhor na segunda parte do que na primeira. Entrámos com receio do FC Porto e, sinceramente, não sei porquê. Temos de ter respeito, mas não devemos ter medo. Não fomos uma equipa consistente, organizada. Com bola, não fomos esclarecidos. Todas as bolas que tínhamos, perdíamos, deixámos o domínio para o FC Porto."

Mota queria que a sua equipa tivesse sido mais esclarecida: "Não gostei da primeira parte, pelo receio de ter bola, nos contactos, duelos. Temos de ser uma equipa sem reveio."

No entender do técnico avense, a segunda parte foi melhor. "Estivemos mais próximos da área do adversário. Não tivemos grandes oportunidades, tirando esta bola na barra. Mas fomos com mais motivação, mais organizados e podíamos ter conseguido o golo. Não conseguimos, mas demos a imagem, na segunda parte, daquilo que somos e queremos ser neste campeonato", confessou resignado: "Não conseguimos, fizemos tudo, mas o FC Porto fechou-se bem e organizou-se."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG