Sérgio Conceição: "Não ganhámos nada, conseguimos um resultado positivo"

Treinador feliz com o triunfo sobre o Krasnodar (1-0) esta quarta-feira.

Sérgio Conceição falou à Sport TV, após a vitória dos azuis e brancos em Krasnodar, por 1-0, em jogo da primeira mão da terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões. "Acho que conseguimos condicionar o adversário no que mais gosta de fazer. Esta equipa do Krasnodar gosta de ter bola, de controlar o jogo. A nossa primeira parte, nesse sentido, foi boa. Pecámos, na minha opinião, à entrada da zona de definição. São situações normais até pela falta de conhecimento, natural de início de época, na zona de definição, no último passe. Se fôssemos mais assertivos, podíamos ter feito golos e, na zona de finalização, tivemos ocasiões para ir para o intervalo em vantagem no marcador", explicou o técnico dos dragões.

Depois na segunda parte o jogo foi um pouco diferente: "Na segunda parte, possibilitámos que o jogo ficasse mais dividido, mas lembro-me de uma ocasião que o nosso guarda-redes fez uma excelente defesa. Estivemos sempre próximos do último terço, de definir melhor. Mas importante foi ver um FC Porto compacto, dentro do que preparámos para o jogo, a querer muito cumprir. Com isso, devo felicitar os jogadores, que interpretaram o trabalho a fazer, principalmente sem bola."

Apesar do triunfo e da vantagem de um golo para a segunda mão, no Dragão, o técnico portista lembrou que não se deve "desvalorizar" a equipa do Krasnodar: "Nos últimos sete jogos europeus, ninguém ganhou aqui. É uma equipa competitiva, positiva, que investiu para seguir em frente e estamos a meio de uma eliminatória. Não ganhámos nada, conseguimos um resultado positivo. Agora, concentrar, descansar e pensar no jogo de Barcelos, o primeiro do campeonato, queremos dar uma resposta positiva."

Agustín Marchesín chegou ao Dragão esta semana e já foi titular na baliza portista. "Marchesín deu-me todas as garantias, porque vinha também já de um campeonato que já tinha começado. Guarda-redes muito experiente, tranquilo, com a qualidade que eu conhecia. Estavam todos os ingredientes reunidos para que começasse o jogo. Uma palavra para o Diogo Costa, Vaná, Mbaye, que têm trabalhado muito bem mas depois cabe-me a mim decidir", confessou Sérgio Conceição.

E ausência de Nakajima, Saravia, Tomás Esteves e Osorio da ficha de jogo? "São escolhas que faço em função do jogo que vamos ter, projetando aquilo que poderão ser os momentos do jogo em que temos de ter soluções no banco. Sábado pode passar por outros jogadores. Como disse, temos um plantel que dá garantias, competitivo, jogadores da valia do Naka [Shoya Nakajima], do Saravia, do Tomás [Esteves], do Osorio, que também ficou de fora. Sábado poderão ser outros. A competitividade é de louvar e a aceitação dos jogadores é fantástica", respondeu.

Sérgio Oliveira: "Eu só penso em ajudar"

Sérgio Oliveira marcou de livre direto, aos 89 minutos da partida contra o Krasnodar, na Rússia. "Este era um jogo em contexto difícil e conseguimos sair daqui com uma vitória difícil e importante. Há que sabe sofrer, faz parte de uma grande equipa, e no momento certo fizemos o golo. Estamos em vantagem na eliminatória, é importante. Mas eu só penso em ajudar. O foco agora é a estreia na Liga, no sábado", disse o médio no flah interview da Sport TV.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...