Seleção nacional. O primeiro treino depois do apuramento

Portugal treinou esta tarde em Guimarães, depois do empate (0-0) com a Itália que apurou a seleção para a final four da Liga das Nações, a nova prova de seleções da UEFA.

Depois do empate (0-0) de Portugal em Itália, no sábado, que garantiu o apuramento para a final four da Liga das Nações, a seleção de Fernando Santos voltou aos treinos, em Guimarães, e só com 15 jogadores à disposição.

Gonçalo Guedes, Beto, Renato Sanches, João Mário, Kévin Rodrigues, Raphaël Guerreiro, Eder, Luís Neto, Pepe, Danilo, Cédric, Rafa Silva e Bruno Fernandes foram os jogadores que, neste domingo, subiram ao relvado. Já os titulares frente à squadra azzurra descansaram, à exceção de Pizzi. O extremo do Benfica fez trabalho no ginásio, tal como o guarda-redes Cláudio Ramos.

Já Rúben Neves e Mário Rui foram dispensados dos trabalhos da seleção e não seguiram com o resto da equipa para Guimarães. Os dois jogadores viram o cartão amarelo frente a Itália, o que os impede de jogar com a Polónia, no Estádio D. Afonso Henriques, na terça-feira. Um jogo que servirá para cumprir calendário, visto que Portugal já está apurado para a final a quatro que acontecerá em junho de 2019.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.