Seis adeptos do Inter condenados a pena de prisão após atropelamento mortal

Seis adeptos do Inter de Milão foram esta quarta-feira condenados a penas de prisão, que variam entre os 22 e os 44 meses, depois dos confrontos com apoiantes do Nápoles, que conduziram à morte de um adepto, em dezembro.

Os resultados da investigação policial indicam que a morte de Daniele Belardinelli, o adepto de 35 anos do Inter, foi causada por um atropelamento no exterior do Estádio San Siro, durante os desacatos.

As autoridades afirmaram que os confrontos de 26 de dezembro de 2018 foram planeados pelos adeptos da equipa de Milão, sendo que há ainda investigações a decorrer para identificar outros envolvidos, assim como os veículos usados.

O encontro de 26 de dezembro, que ficou ainda marcado por cânticos racistas tendo como alvo o defesa napolitano Kalidou Koulibaly, custou ao Inter de Milão ter de disputar dois jogos à porta fechada, em janeiro.

Em San Siro, o Inter de Milão venceu o Nápoles por 1-0, com um golo do argentino Lautaro Martínez, nos descontos, aos 90+1 minutos, em encontro da 18.ª jornada do campeonato italiano.

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.