Benfica chegou atordoado aos Açores, mas ainda foi a tempo de despertar para a vitória

O Santa Clara esteve a vencer graças a um golo de Carlos Júnior, mas depois de uma péssima primeira parte os encarnados conseguiram dar a volta ao marcador e garantir a continuidade na liderança da I Liga. Pizzi voltou a ser decisivo com um golo e uma assistência.

O Benfica garantiu a continuidade na liderança da I Liga com uma vitória sofrida, com reviravolta, por 2-1, nos Açores diante do Santa Clara. Os encarnados vinham de mais uma desilusão europeia e pareciam apostados em dar continuidade a essa má noite de Lyon, com uma primeira parte péssima da qual saíram em desvantagem. Melhoraram após o intervalo e deram a volta ao resultado, mas sem brilho. É caso para dizer que os campeões nacionais chegaram atordoados a São Miguel e só quando tocou o alarme despertaram e mudaram o chip da Champions para o das provas internas.

Bruno Lage lançou para esta partida André Almeida e Pizzi na equipa e juntou-lhes Seferovic, por troca com Carlos Vinícius, para dar à equipa maior profundidade no ataque, mas do outro lado o Benfica encontrou um Santa Clara organizado de forma muito compacta na sua defesa, com duas linhas muito juntas com o objetivo de dificultar o jogo interior dos encarnados, que assim se viam obrigados a tentar entrar pelas alas.

Só que depressa ficou evidente que esta iria ser uma partida muito complicada para o Benfica, que sentiu muitas dificuldades em ligar o seu jogo ofensivo, com muitos passes falhados, sobretudo por Gabriel, que esteve verdadeiramente desastrado naquela que é uma das suas grandes qualidades.

Os açorianos tentavam sair para ataques rápidos e num deles fizeram golo aos 17 minutos, com o lateral-direito Rafael Ramos a cruzar para a pequena área onde surgiu Carlos Júnior a chegar primeiro que André Almeida, abrindo o marcador.

A partir daí os erros dos campeões nacionais ficaram ainda mais expostos, com enormes dificuldades em fazer circular a bola e criar lances de perigo. Aliás, o único remate enquadrado com a baliza foi aos 45+4 minutos, num cabeceamento sem perigo de Rúben Dias.

Lançar Vinícius para mudar o rumo

Bruno Lage estava obviamente descontente com aquilo que via e ao intervalo tirou Florentino e colocou Carlos Vinícius, para dar mais presença na área açoriana. Mas era preciso mais do que isso para conseguir dar a volta ao resultado. Os campeões nacionais precisavam de jogar com mais velocidade e, sobretudo, acertar mais passos.

É certo que o Benfica entrou melhor após o intervalo, corrigindo os enormes defeitos que tinha evidenciado. Contudo, foi o Santa Clara que esteve perto de voltar a marcar e por duas vezes, com dois contra-ataques desperdiçados por Zé Manuel (rematou ao lado) e depois por Rashid, que aproveitou um erro de Jardel para rematar para uma grande defesa de Vlachodimos.

Só que a partir daí deu-se uma viragem total no rumo do jogo. Os encarnados começaram a pressionar o adversário muito à frente, passando a recuperar a bola junto à área dos açorianos, que nem conseguiam respirar. E os frutos foram colhidos rapidamente, com Chiquinho a lançar Pizzi na direita, que passou por um defesa e cruzou rasteiro para Carlos Vinícius finalizar na pequena área. Estava feito o empate.

O suspeito do costume volta a aparecer

Ainda faltavam 35 minutos para jogar, mas a sucessão de lances junto da área do Santa Clara sucediam-se, e a forma como o Benfica fazia circular a bola abria muitos espaços por onde podia criar perigo.

Até que aos 78 minutos, numa altura em que Bruno Lage já tinha colocado em campo Taarabt no lugar de Franco Cervi, eis que um passe errado de César Martins deixou Seferovic com a possibilidade de conduzir um ataque rápido, libertando Pizzi (o suspeito do costume) para fazer o 2-1. Estava feita a reviravolta, com o médio encarnado a fazer o seu oitavo golo no campeonato e o 13.º na temporada.

A partir desse momento, o Santa Clara ficou praticamente rendido, pois o Benfica conseguia controlar a posse de bola, evitando que a sua baliza ficasse exposta a uma derradeira tentativa de os açorianos chegarem ao empate. A única exceção foi um remate de primeira de Ukra, após um cruzamento, que saiu junto ao poste da baliza de Vlachodimos.

O Benfica acabou por segurar os três pontos, alcançando a 28.ª vitória da era Bruno Lage em 30 jogos de campeonato. Com a 10.ª vitória na I Liga em onze jornadas, os encarnados garantiram a continuidade na liderança. O Santa Clara, pela primeira parte que fez, merecia mais, mas mostrou que tem qualidade para fazer uma época tranquila.

Mais um jogo em que foi decisivo. Na primeira parte acumulou várias más decisões, melhorou depois do intervalo com as correções táticas operadas por Bruno Lage. Foi ele quem deu início à reviravolta com uma jogada em que assistiu Carlos Vinícius e depois fez o seu oitavo golo na Liga, que valeu a conquista dos três pontos.

Veja os melhores lances da partida:

FICHA DO JOGO

Estádio de São Miguel, em Ponta Delgada
Árbitro: Artur Soares Dias (Porto)

Santa Clara - Marco Pereira; Rafael Ramos, César Martins, João Afonso, Zaidu Sanussi; Nené, Francisco Ramos (Guilherme Schettine, 80'), Osama Rashid, Carlos Júnior (Ukra, 71'); Zé Manuel (Lincoln, 63'), Thiago Santana
Treinador: João Henrique

Benfica - Vlachodimos; André Almeida, Rúben Dias, Jardel, Grimaldo; Pizzi, Florentino Luís (Carlos Vinícius, 46'), Gabriel, Franco Cervi (Taarabt, 68'); Chiquinho e Seferovic (Gedson Fernandes, 90'+3)
Treinador: Bruno Lage

Cartão amarelo a Carlos Júnior (45'+4), Jardel (46'), Zé Manuel (58'), Rafael Ramos (70'), Gabriel (72'), Taarabt (86')

Golo: 1-0, Carlos Júnior (18'); 1-1, Carlos Vinícius (55'); 1-2, Pizzi (78')

Exclusivos