Sá Pinto: da agressão a Artur Jorge à expulsão pela Ryanair

O desentendimento com a tripulação da Ryanair que obrigou o técnico do Sp. Braga a sair do avião em Faro é mais um dos episódios do seu currículo, que tem nas agressões a Artur Jorge o "ponto alto".

O desentendimento nesta sexta-feira entre Ricardo Sá Pinto, o chefe de cabine e uma hospedeira da Ryanair que terminou com o treinador do Sporting de Braga a ser identificado pela PSP e a não seguir no voo que fez a ligação entre Faro e o Porto, é o mais recente episódio do currículo do antigo futebolista internacional português.

Sá Pinto faz parte da história do futebol português não só pela carreira como jogador e agora como técnico, mas é ainda mais recordado pelo que fez na manhã de 26 de março de 1997: a agressão ao selecionador nacional Artur Jorge, a que se seguiu também o adjunto Rui Águas.

Por essa ação foi suspenso pela Comissão Disciplinar da Liga e depois condenado a um ano de suspensão dos relvados.

As agressões mais mediáticas do futebol português têm, assim, a participação do treinador que esta temporada lidera a equipa de futebol profissional do Sporting de Braga.

A reação de Sá Pinto foi motivada, contam os jornais da época, pelo facto de não ter sido convocado para o jogo com a Irlanda do Norte, em Belfast, contar para a fase de apuramento para o Campeonato do Mundo de 1998. De acordo com as notícias a decisão de Artur Jorge terá sido justificada com alegados atos de indisciplina em desafios anteriores e ambos particulares: França (em Braga) e Grécia (Atenas).

Sá Pinto não aceitou essa decisão e dirigiu-se ao Estádio do Jamor onde a seleção ia treinar quando ali chegou foi ter com Artur Jorge a quem agrediu a soco e quando este caiu ainda lhe terá dado dois ou três pontapés. Tudo isto perante testemunhas.

Pouco depois envolveu-se com o técnico-adjunto Rui Águas, sendo que destas agressões há imagens publicadas pelo já desaparecido jornal Manhã Popular, o que não aconteceu no confronto com Artur Jorge, que anos mais tarde desistiria da queixa contra o então jogador.

Uma das características de Ricardo Sá Pinto foi sempre a emotividade e a vontade que colocava nas suas atuações enquanto jogador e isso mesmo chegou a reconhecer em declarações proferidas em 1997 quando disse que tinha reagido emocionalmente a considerações feitas à sua honra.

Desentendimento com Liedson

Anos mais tarde, em 2010 e numa altura em que o agora treinador tinha regressado ao Sporting na função de diretor desportivo depois de ter cumprido uma carreira internacional como futebolista que o levou ao Real Sociedad (Espanha) e Standard Liège (Bélgica), voltou a ser noticia e não pelo seu desempenho desportivo.

A 20 de janeiro desse ano, a RTP noticiou citando a Antena 1 que Sá Pinto tinha agredido o futebolista brasileiro Liedson após o jogo do Sporting com o Mafra, a contar para a Taça de Portugal. No entanto, o avançado acabou por desmentir a agressão, confirmando sim uma tentativa. "Houve uma discussão entre nós os dois e falou-se em agressão da parte dele, mas não aconteceu nada disso. Houve uma tentativa, mas não fui agredido. Defendo os meus colegas [o diretor desportivo terá criticado um erro do guarda-redes Rui Patrício] e não admito que as pessoas os critiquem. É um assunto desagradável mas que acabou e não tenho nada contra o Sá Pinto, nem nunca tive problemas com ele", assegurava.

Assim, o desentendimento desta sexta-feira com alguns elementos da tripulação da Ryanair - Sá Pinto já anunciou que vai processar a empresa e o chefe de cabine - é mais um episódio que o técnico acrescentou à sua história pessoal.

A explicação de Sá Pinto

Ao final da noite de sexta-feira, o treinador divulgou um comunicado onde dá a sua versão do que aconteceu no avião que se preparava no aeroporto de Faro para seguir em direção ao Porto.

Começou por explicar que "desde a entrada no avião que o chefe de cabine teve uma postura arrogante e mal-educada", apesar disso garantiu que ao lhe ser pedido para desligar o telemóvel e os auriculares, acatou essas indicações.

Acrescentou que quando fez a reserva do bilhete marcou o seu lugar na primeira fila porque não consegue manter o joelho dobrado durante o tempo de voo devido às lesões que sofreu enquanto jogador. Como tinha a perna esticada foi-lhe dito para que dobrasse as pernas ao que, segundo garantiu no comunicado, explicou a impossibilidade de o fazer. No documento divulgado pela Lusa, Sá Pinto refere que "a tripulação recusou-se a iniciar o voo, o que obrigou ao desembarque do passageiro Ricardo Sá Pinto".

"É absolutamente condenável a postura do funcionário desta companhia de aviação low cost e Ricardo Sá Pinto irá proceder judicialmente contra esta empresa e contra o aludido chefe de cabine pela atuação tida contra a sua pessoa", concluiu.

Certo é que a PSP foi chamada ao avião, Sá Pinto deixou a aeronave e foi identificado.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.