Ronaldo a 11 golos dos 100 pela seleção. Será possível na fase de qualificação?

Se tiver a pontaria afinada na fase de qualificação para o Euro2020, CR7 pode atingir a centena de golos pela seleção nacional. Mas para isso terá de marcar 11 golos em cinco jogos. Nada que já não tenha feito.

Com o golo apontado à Sérvia, no jogo disputado sábado em Belgrado e relativo à fase de qualificação para o Euro2020, Cristiano Ronaldo chegou aos 89 com a camisola da seleção nacional (em 159 jogos). Ou seja, está a 11 de atingir o número redondo de 100, algo que será apenas uma questão de tempo e que até pode acontecer durante este apuramento. Mas para isso CR7 tem de estar com a pontaria bem afinada.

Esta terça-feira, diante da Letónia, Ronaldo tem mais uma oportunidade para aumentar a sua contabilidade pessoal. E até ao final da fase de qualificação para o Euro2020, a seleção nacional disputa ainda mais quatro jogos: em casa com o Luxemburgo, fora com a Ucrânia, em casa com a Lituânia e fora com o Luxemburgo. Ou seja, Ronaldo tem cinco jogos para marcar 11 golos e chegar à marca dos 100, o que dá uma média um pouco superior a dois golos por partida.

Será uma missão impossível? Definitivamente não. Olhando para o historial de Ronaldo na seleção nacional é possível chegar à conclusão que o capitão português já por sete vezes apontou três ou mais golos num só jogo - contra a Suíça, Espanha, Ilhas Faroé, Andorra (aqui foram quatro), Arménia, Suécia e Irlanda do Norte. E se estendermos a clubes foram já mais de 50 hatricks - pelo Real Madrid chegou a apontar seis pokers (quatro golos num só jogo).

O golo apontado por Ronaldo na vitória por 4-2 sobre a Sérvia permitiu ainda a Ronaldo aumentar a sua lista de vítimas a nível de seleções. Neste momento, o craque português já marcou golos a 39 (!) seleções, entre jogos oficiais e particulares.

Os golos de Ronaldo pela seleção.

Ronaldo é desde março de 2014 o melhor marcador da seleção nacional. Nesse dia, diante dos Camarões, o avançado português marcou dois golos, chegou aos 49 por Portugal, e ultrapassou a marca que pertencia a Pauleta (47). Isto depois de antes ter também batido o recorde de 41 que pertencia a Eusébio. Neste momento, CR7 já soma mais 42 do que Pauleta e 48 em relação ao Pantera Negra.

Cristiano Ronaldo tem ainda ao alcance uma outra marca: bater o recorde mundial de golos por seleções. A marca está ainda na posse do iraniano Ali Dei, com 109. Ou seja faltam ao avançado português 20 para atingir esse marco histórico. Ronaldo, recorde-se, ultrapassou há sensivelmente um ano o lendário húngaro Ferenk Puskas, estando atualmente isolado no segundo posto deste ranking.

A nível de golos marcados ao serviço dos clubes que representou, o número atinge proporções verdadeiramente astronómicas, pois Ronaldo já passou a barreira dos 600 (concretamente 602). A maior fatia foi no Real Madrid, um impressionante recorde de 450, que fazem dele o melhor artilheiro de sempre da história do clube madrileno. Pelo Manchester United foram 118, pela Juventus 29 e ainda cinco pelo Sporting.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?