À atenção do FC Porto: Roma vence e sobe na tabela

A Roma, adversária do FC Porto na Liga dos Campeões de futebol, venceu na visita ao Parma, por 2-0, em jogo da 19.ª jornada da Serie A, em que a líder Juventus fixou um recorde de pontos na primeira volta.

Em Parma, com o capitão Bruno Alves a titular na equipa da casa, a Roma garantiu o triunfo com golos de Bryan Cristante (58 minutos) e Cengiz Under (75), deixando a equipa provisoriamente no quinto lugar.

Os romanos, que defrontam o FC Porto em 12 de fevereiro e 06 de março, têm tido uma época muito irregular, mas fecham a primeira volta ultrapassando na classificação a Sampdoria, que perdeu com a Juventus, e à espera do que o AC Milan fará com a SPAL este sábado.

Em contrapartida, a Sampdoria caiu para o sexto lugar, depois de no primeiro jogo do dia perder em Turim com a Juventus (2-1), com Cristiano Ronaldo a bisar -- e liderar os marcadores -, num jogo em que o VAR foi peça fundamental.

O árbitro Paolo Valeri confirmou no vídeoárbitro duas grandes penalidades, uma para cada lado, e já nos descontos anulou aquele que podia ter sido o 2-2 para a Sampdoria, por posição irregular de Saponara.

João Mário titular no Inter

A 'Juve', heptacampeã, lidera assim confortavelmente a Serie A, com mais 12 pontos do que o Nápoles (2.º), que ainda este sábado recebe o Bolonha, e 14 para o Inter de Milão (3.º), emblema que saiu vitorioso na visita ao Empoli.

Com João Mário a titular, os interistas seguraram os três pontos graças a um golo de Balde Keita (72 minutos), com Radja Nainggolan, que tinha sido suspenso por questões disciplinares, a ser lançado por Spaletti aos 57 minutos.

Em outros jogos, a Lazio atrasou-se ainda mais -- é quarta, a 21 pontos da 'Juve' -, ao empatar a 1-1 em casa com o Torino (9.º), e a Atalanta (7.ª) aproximou-se do sexto lugar 'europeu', num encontro que houve uma 'avalancha' de golos, oito.

Fora de casa, a Atalanta 'atropelou' o Sassuolo (11.º) por 6-2. Ao intervalo já vencia por dois golos e Josip Ilicic foi a figura, com um 'hat trick', numa ronda em que Chievo e Udinese também venceram, Frosinone (1-0) e Cagliari (2-0), respetivamente.

Também durante a tarde, o único nulo aconteceu em casa do Génova (14.º), num jogo em que Miguel Veloso entrou aos 59 minutos, e que a Fiorentina não conseguiu superar, com a formação 'viola' a manter-se no meio da tabela (10.ª).

Antes de uma pausa de três semanas na Série A -- que regressa em 19 de janeiro -, os jogos Nápoles-Bolonha e AC Milan-SPAL fecham ainda este sábado a primeira volta.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...