Ricciardi cria grupo de trabalho para se recandidatar à liderança do Sporting

Trata-se de uma "equipa nova, profissional e com experiência" na gestão desportiva, adianta fonte próxima do ex-banqueiro, escusando-se a revelar nomes

O antigo candidato à presidência do Sporting, José Maria Ricciardi, crítico da gestão de Frederico Varandas, formou um grupo de trabalho para preparar a sua recandidatura à liderança do Sporting nas próximas eleições, avançou esta terça-feira fonte do grupo de trabalho.

"José Maria Ricciardi está muito preocupado com o que está a acontecer ao Sporting, pelo que criou um 'núcleo duro' de cinco pessoas, que nada tem a ver com a antiga lista, de forma a montar tudo para avançar quando os sócios entenderem que esta direção deve ser destituída", revelou à Lusa uma fonte que integra o grupo de trabalho, que pediu para não ser identificada.

Segundo a mesma fonte, que também não revelou os outros nomes que integram o grupo de trabalho liderado por Ricciardi por ser "prematuro", trata-se de uma "equipa nova, profissional e com experiência" na gestão desportiva, que não conta, por exemplo, com José Eduardo, que acompanhou Ricciardi nas últimas eleições e que tinha reservado o papel de 'homem-forte' do futebol dos 'leões'.

Esta terça-feira Ricciardi relançou a sua página na rede social Facebook denominada "Erguer o Sporting", que tinha desativado há mais de um ano, após terem sido divulgados os resultados eleitorais que conduziram Varandas à presidência do clube de Alvalade.

"Todos juntos vamos erguer o Sporting Clube de Portugal. Força Sporting! Um forte abraço, José Maria", lê-se na primeira publicação desde a reativação da sua página no Facebook.

Ricciardi ficou em terceiro lugar nas eleições mais concorridas de sempre do clube (22.510 votantes), que ocorreram em setembro de 2018, com 14,55% dos votos, atrás de João Benedito (36,84%) e de Frederico Varandas (42,32%).

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.