Real vence Barcelona no regresso de Ronaldo ao Bernabéu

Vinícius e Mariano Díaz marcaram os golos do triunfo aos merengues, que passaram assim para a frente da tabela classificativa da liga espanhola ao fim de 26 jornadas.

Como se já não houvesse pressão suficiente naquele que é um dos maiores clássicos a nível mundial, eis que Ronaldo resolveu assistir ao jogo entre o Real Madrid e o Barcelona no Santiago Bernabéu. Foi na bancada que o português viu a ex-equipa vencer o eterno rival, por 2-0, na 26.ª jornada e assumir a liderança isolada da liga espanhola. Vinícius e Mariano Díaz foram os herói improváveis de um jogo que foi um verdadeiro hino ao futebol e voltou a ter a emoção dos tempos em que Cristiano e Messi jogavam um mini-jogo dentro do próprio jogo. Desta vez, com Ronaldo a assistir de camarote à derrota de Messi.

O regresso de CR7 ao estádio que foi sua casa durante uma década, depois de 640 dias de sair para a Juventus, dominou as atenções antes, durante e após o jogo. Com o Juventus-Inter adiado devido ao coronavírus, o português, que jogou 30 clássicos entre 2009 e 2018, decidiu ir a Madrid e assistir ao jogo da ex-equipa, fazendo-se acompanhar dos amigos de longa data, Miguel Paixão e José Semedo (capitão do Vit. Setúbal).

Para alguns 78.357 adeptos presentes nas bancadas foi difícil manter os olhos no relvado em vez de focar a bancada onde estava CR7, mas não por ausência de espetáculo. Com as equipas estarem separadas por apenas dois pontos na luta pelo título de campeão espanhol - vantagem para os catalães - o jogo fez jus ao nome de El Clássico. Depois de uma primeira parte mais blaugrana e brilhou Courtois, o segundo tempo foi todo blanco e brilhou Ter Stegen na baliza.

A pressão catalã intensificou-se no final do primeiro tempo, com Messi a recuar para as zonas de construção e a dificultar as marcações merengues e a libertar Arthur, Messi e Griezmann para incomodarem Courtois. Ou pelo menos tentarem. O belga foi uma autêntica muralha para os remates catalães e foi graças a ele que a equipa do Real foi para o intervalo sem sofrer qualquer golo.

Depois do descanso foi a vez de Ter Stegen brilhar... enquanto pode. Com as bancadas meio adormecidas, Isco faz um remate espetacular em arco que prometia levantar o Bernabéu, mas acabou glorificando o alemão. A enorme defesa do guarda-redes do Barcelona acabaria no entanto por despertar a equipa de Zidane para uma segunda parte sufocante. Isco viu Piqué tirar-lhe um golo em cima da linha, Benzema desperdiçou uma ocasião clara... até que Kroos indicou o caminho do golo a Vinícius Júnior. O remate do brasileiro ainda sofreu um desvio de Piqué e entrou na baliza, para alegria do jovem merengue, que festejou à Ronaldo. O português aplaudiu desde a bancada.

Em desvantagem, o Barcelona de Setién (com o português Nelson Semedo a titular) tentou responder, mas Messi eclipsou-se na segunda parte. E pode mesmo dizer-se que o argentino tem sentido a falta de CR7. Desde que o português se mudou para Turim, que o camisola 10 do Barça não marca nem assiste nos clássicos. Já lá vão cinco jogos.

E seria o Real Madrid a fazer o 2-0, por Mariano Díaz. O espanhol entrou e no primeiro minuto da época no campeonato sentenciou o El Clássico.

Mesmo com uma equipa órfã das principais referências - Bale e Modric no banco e Hazard de fora, por lesão -, o Real Madrid voltou a vencer o Barcelona no Bernabéu, para o campeonato, algo que não acontecia desde 2015-16. O triunfo permite aos merengues passar para a liderança da liga espanhola, agora com mais um ponto do que o Barcelona.

No jogo da primeira volta, realizado no Camp Nou, em dezembro - dois meses de depois da data prevista por causa das manifestações pró-independentistas na Catalunha -, registou-se um empate a zero. No Bernabéu venceu o Real Madrid, que assim passou a ter mais vitórias nos clássicos (73 contra 72).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG