Corrupção, exploração laboral, jogos no inverno. O que mais falta acontecer ao Mundial do Qatar?

Desde que em dezembro de 2010 a FIFA atribuiu ao emirado árabe a organização do Campeonato do Mundo de 2022, têm surgido uma sucessão de questões levantadas em torno da decisão. As suspeitas de corrupção têm sido constantes, mas as altas temperaturas, as questões diplomáticas e os problemas de exploração laboral também estiveram na ordem do dia.

O emirado árabe do Qatar é uma pequena península que irrompe pelo Golfo Pérsico, mas cujo território é um pouco maior que a região portuguesa do Baixo Alentejo. Contudo, dinheiro é coisa que não falta graças às receitas do petróleo e do gás natural, do qual tem a terceira maior reserva mundial.

A influência do dinheiro catari tem crescido em vários setores de atividade no mundo, sobretudo no futebol onde têm uma posição dominante no Paris Saint-Germain, são patrocinadores do Barcelona e conquistaram uma grande influência nos centros de decisão, sobretudo na FIFA. O ponto alto de afirmação do Qatar na indústria futebolística foi quando a 2 de dezembro de 2010 foi escolhido como organizador do Mundial 2022, contra todas as expetativas... ou nem por isso.

A decisão não foi unânime, gerou muita controvérsia por causa das dúvidas que se levantaram em relação a alegadas irregularidades que levaram à escolha da FIFA e, ao mesmo tempo, criou uma série de preocupações no âmbito desportivo, nomeadamente no que diz respeito às altas temperaturas que se registam no verão naquela zona do globo, que obrigaram a que o torneio seja realizado no inverno - de 21 de novembro a 18 de dezembro - pela primeira vez na história dos Campeonatos do Mundo de futebol.

Fazer um Mundial no Médio Oriente foi uma das bandeiras de Joseph Blatter, o antigo presidente da FIFA, mas nos anos que se seguiram à escolha do Qatar, o ex-dirigente suíço admitiu ter sido um erro. "Sim, foi um erro, mas, na vida, cometem-se muitos erros", disse o ex-dirigente, uma ideia partilhada também por outros responsáveis do organismo que superintende o futebol. Um erro causado pelo poder do dinheiro, afinal a organização catari dispõe de fundos ilimitados para a construção de oito estádios topo de gama em cinco cidades, além de todas as infraestruturas necessárias.

Mas o dinheiro não apaga as polémicas que se sucederam, sobretudo no que tem a ver com a violação dos direitos humanos, com a exploração do trabalho dos migrantes, em situação de precariedade laboral, para a construção dos estádios. Isto além da tradição religiosa que limita o papel das mulheres na sociedade.

Enfim, e só escolher a polémica que mais convém. E a mais impactante tem sido as suspeitas de corrupção no processo de atribuição da organização do Mundial ao Qatar, nomeadamente na compra de votos, que atingiram altos responsáveis da FIFA e, mais recentemente deixaram sob suspeita Michel Platini, antigo presidente da UEFA, que teve de prestar declarações sobre uma alegada influência de Nicolas Sarkozy, antigo presidente francês, para que o antigo futebolista intercedesse junto das outras federações europeias para que votassem a favor da candidatura catari.

Curioso é que no Médio Oriente garantem que o Emir do Qatar tem tolerância zero para casos de corrupção, razão pela qual em muitos setores árabes defendem que não é possível ter comprado o Mundial 2022. Mas a verdade é que nunca um Mundial foi escrutinado como este.

A suspeitas de compra de votos

Foram denúncias feitas por altos funcionários da FIFA que lançaram as suspeitas sobre a legalidade da atribuição do Campeonato do Mundo ao Qatar, devido a alegados subornos que visavam a compra de votos. O esquema era conduzido pelo catari Mohammed bin Hammam, na altura presidente da Confederação Asiática de Futebol na época, tendo o jornal inglês Sunday Times revelado em 2014 o teor de documentos, emails, cartas e comprovativos de transferências bancárias, que alegadamente provavam o esquema de corrupção, nomeadamente que Bin Hammam tinha pago mais de cinco milhões de dólares (cerca de 4,4 milhões de euros) a várias pessoas para que apoiassem e votassem na candidatura do Qatar.

A acusação ganhou força quando Phaedra Almajid, uma antiga funcionária da candidatura do Qatar 2022, revelou publicamente que vários dirigentes do futebol africano receberam 1,5 milhões de euros do Qatar, uma forma de comprar os votos suficientes para garantir a organização do Campeonato do Mundo.

Em março de 2014, foi também revelado que uma empresa ligada à candidatura catari tinha pago dois milhões de dólares (1,8 milhões de euros) ao tobaguenho Jack Warner, que era então vice-presidente da FIFA e líder da CONCACAF, uma denúncia que mereceu a investigação do FBI. Um pouco por todo o mundo, várias pessoas ligadas às diversas confederações de futebol foram detidas.

Dois anos depois de ter eclodido o escândalo e de terem sido feitas as primeiras detenções, a própria FIFA entregou à justiça suíça um documento com 1300 páginas sobre os 22 meses de investigação interna sobre este caso que abalou os alicerces da organização e do próprio futebol mundial.

Além das autoridades suíças e norte-americanas, também as francesas investigam as alegadas irregularidades na atribuição do Mundial 2022 ao Qatar. E na semana passada Michel Platini, antigo presidente da UEFA, foi mesmo detido para interrogatório, tendo sido ouvido durante 15 horas, após as quais viu ser levantada a medida de prisão preventiva. Em causa estaria o teor de uma reunião no Palácio do Eliseu que o antigo futebolista teve com Nicolas Sarkozy, antigo presidente da república francesa, sobre quem recaem suspeitas de ter recebido subornos para apoiar a candidatura catari.

Vizinhos decretaram corte de relações

Mas as ameaças ao Mundial 2022 chegaram também pela via diplomática, sobretudo quando, em junho de 2017, Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Iémen e Egito cortaram relações com o vizinho Qatar, colocando em causa toda a operação logística que estava a ser preparada para o Campeonato do Mundo.

O corte de relações diplomáticas, que implicou um bloqueio económico, era justificado por aqueles estados do Golfo Pérsico com a necessidade de protegerem a respetiva segurança nacional do terrorismo e do extremismo, tendo em conta que estes países acusam o Qatar de apoiar a Al-Qaeda e o Estado Islâmico.

Contudo, a verdade é que, apesar do isolamento em relação aos vizinhos, o Qatar acabou por não ser muito afetado pelo bloqueio, uma vez que se virou para outros parceiros, como a Turquia e o Irão. A questão é saber que efeitos terá este problema diplomático na realização do Campeonato do Mundo, no caso de o bloqueio não ser levantado antes de 2022. É bom não esquecer que o Qatar tem um pequeno território e o suporte dos vizinhos, em termos logísticos, seria importante.

Altas temperaturas obrigam a torneio no inverno

O Campeonato do Mundo tem sido sempre disputado nos meses de junho e julho, altura em que terminam as épocas desportivas na Europa e que coincide com o verão do hemisfério norte. Nesse sentido, o clima no Qatar nesta altura do ano foi sempre uma preocupação, sobretudo porque as temperaturas chegam a superar os 50 graus centígrados, condições que são incompatíveis com a realização de um jogo de futebol.

No processo de escolha da organização do Mundial 2022, alguns médicos manifestaram preocupação no que diz respeito às condições climatéricas do Qatar. Asseguravam que as altas temperaturas iriam afetar o desempenho dos futebolistas e poderia inclusive afetar a saúde dos atletas. O "alto risco" com que foi designado o clima foi mais um dado que contribuiu para que se adensassem as suspeitas em torno do processo de eleição da candidatura catari.

Inicialmente, Joseph Blatter, na altura presidente da FIFA, rejeitou as críticas. E até Hassan al-Thawadi, chefe executivo da candidatura, deu garantias que o calor não seria problema, pois o Qatar tinha um sistema capaz de reduzir as temperaturas de 50 para 27 graus dentro dos recintos. "Cada um dos estádios vai aproveitar o poder dos raios do sol para fornecer um ambiente fresco para jogadores e fãs através da conversão de energia solar em eletricidade. Durante o tempo em que não houver jogos, os painéis solares dos estádios vão exportar energia para a rede elétrica, que é depois retirada durante os jogos", disse então este alto responsável, numa ideia que acabou por não ser acolhida, afinal não seria possível baixar as temperaturas... nas ruas.

Foi já depois de se ter colocado a hipótese de os jogos se realizarem à noite, quando a temperatura fosse menos agressiva, que Blatter admitiu, em setembro de 2013, avaliar a possibilidade de o evento se realizar no inverno, altura em que as temperaturas são mais baixas naquela zona do globo. E assim foi. O Mundial 2022 vai disputar-se de 21 de novembro a 18 de dezembro, o que vai obrigar a uma reestruturação dos calendários das competições de clubes na Europa.

Esta data não foi pacífica e a Premier League contestou-a e sugeriu até mudar o país organizador, uma vez que iria ser afetada toda a calendarização dos clubes. A essa voz juntaram-se a associação Ligas Europeias Profissionais de Futebol (EPFL) e a Associação Europeia de Clubes (ECA), que lembraram que os campeonatos e os clubes europeus que fornecem mais de 70% dos jogadores para o Campeonato do Mundo, que decorre durante um mês e é antecedido por um período entre os 20 e os 30 dias durante o qual cada seleção nacional realiza os seus estágios e jogos de preparação para o Mundial.

Assim sendo, serão seis ou sete semanas de calendário ocupado, colocando alguns problemas no que diz respeito às receitas dos clubes nesta fase do ano. Curioso é que a sugestão de realizar o Mundial no inverno até foi impulsionada por Michel Platini, ainda como presidente da UEFA...

Governo gasta 440 milhões por semana

Em 2017, Ali Shareef Al-Emadi, ministro das finanças do Qatar, tinha afirmado a uma delegação de jornalistas convidados a visitar as obras para o Mundial 2022, que os custos totais da organização deste evento que chegariam a 187 mil milhões de euros e que até 2021 teria a expetativa de gastar mais de 440 milhões de euros por semana na construção de infraestruturas.

Segundo algumas estimativas recentes, os custos totais já ascendem aos 195 mil milhões de euros devido às derrapagens com algumas obras dos oito estádios, sendo um deles, o Ras Abu Aboud (Estádio do Porto de Doha), um recinto construído com contentores marítimos e que é desmontável... ou seja, deixará de existir depois do Mundial. Verbas astronómicas que podem representar 60 vezes mais do que foi gasto na África do Sul, em 2010.

Para se ter uma ideia, o estádio que irá receber os jogos de abertura e da final do Mundial 2022, o Lusail, custará perto de 700 milhões euros e, após a competição, também será desmontado e transformado num espaço comunitário integrado numa cidade nova, construída de raiz, orçada em cerca de 40 mil milhões de euros. Na prática, as autoridades cataris não olham ao dinheiro para dotarem o torneio de todas as condições para ser um sucesso.

Mas o mais curioso é que a FIFA, liderada por Gianni Infantino, chegou a admitir que este fosse o primeiro Mundial a ser disputado por 48 seleções, ao contrário das atuais 32, mas acabou por abandonar esta ideia, uma vez que seria necessário a ajuda de Oman e Kuwait para que acolhessem alguns jogos da prova. Uma ideia que acabou por não ir avante, pois além das questões geopolíticas da região, iria aumentar ainda mais o custo total do torneio.

Mortes por condições precárias dos trabalhadores

A construção de todas as infraestruturas associadas ao Mundial está também envolta em polémica relacionada com as condições de trabalho de cerca 1,9 milhões de migrantes, provenientes da Índia, Nepal, Paquistão, Filipinas e Bangladesh. A Confederação Sindical Internacional denunciou que esses trabalhadores estavam em condições muito precárias e eram vítimas do abuso dos empregadores, que os impedem de sair do país sem autorização, estando ainda impedidos de mudar de emprego.

Mas os problemas não ficam por aqui, pois em novembro de 2013, a Amnistia Internacional classificou de "exploração grave", a forma como eram tratados os trabalhadores, que eram inclusive obrigados a assinar declarações falsas de que tinham recebido os seus salários (quando a realidade não era assim) para que pudessem recuperar os seus passaportes, entretanto confiscados pela entidade empregadora.

O embaixador do Nepal no Qatar chegou a falar em "prisão aberta" para os migrantes nepaleses que trabalhavam nas obras de forma ilegal, além de viverem em campos de trabalho com condições precárias e prejudiciais à saúde. Uma reportagem do jornal The Guardian, chegou mesmo a denunciar que havia registo de mortes súbitas, causadas por ataques cardíacos, quase diárias entre os trabalhadores nepaleses, que relataram espancamentos por simplesmente terem pedido comida, havendo ainda casos em que lhes era negada água.

A polémica foi tão grande que o governo do Qatar teve de mudar as suas leis laborais por forma a permitir melhores condições de trabalho. A mudança na legislação foi considerada, por ativistas e defensores de direitos humanos, como um importante marco histórico e um passo na luta pelos direitos dos trabalhadores, embora haja o receio que após o Mundial tudo volte a ser como dantes.

500 mil turistas num país com futebol em crescimento

O Qatar vai tornar-se o país mais pequeno a receber um Mundial de futebol, algo que levanta algumas questões relacionadas com a presença de tantos adeptos no país durante um mês. Um dos problemas que se levantava era a proibição vigente no país de se consumirem bebidas alcoólicas, algo que as autoridades já contornaram, pois durante o mês que decorrerá o torneio essa proibição será levantada, embora não permitam a sua ingestão em público.

Na prática, nem que seja por um mês, o Qatar vai tornar-se num país do futebol e tudo indica que esteja a tentar criar todas as condições para receber os milhares de adeptos dos vários pontos do mundo que vão entrar nas suas fronteiras para assistir aos jogos. A organização estima que vão estar cerca de 500 mil turistas em toda a península no período em que vai realizar-se a competição. E há até projetos de hotéis flutuantes na costa de Doha, em pleno Golfo Pérsico.

No plano desportivo, há muito que o governo catari começou a criar condições para que o futebol se desenvolva. Há cerca de dez anos, foram criados centros de formação de jovens, que agora começam a chegar à seleção principal do Qatar, que este ano conquistou o primeiro título da sua história, a Taça da Ásia depois de vencer, na final, o Japão, por 3-1.

Mas até que a formação começasse a dar frutos, o governo promoveu uma política de naturalização de jogadores para permitir à seleção ser mais competitiva. O português Pedro Ró-Ró Correia é um desses exemplos na equipa campeã asiática, que entretanto está a participar na Copa América, como seleção convidada. Nesse lote de convocados pelo treinador espanhol Félix Sánchez, constam também três jogadores nascidos no Sudão, além de atletas de origem egípcia, somali, iraquiana e francesa.

Outra prova da evolução do futebol no Qatar é o facto de, quando a organização do Mundial 2022 lhe foi atribuída, a seleção ocupava o 113.º lugar do ranking FIFA e agora ocupa a 55.ª posição. E a tendência será para subir, a avaliar pelas exibições que tem conseguido na Copa América, que lhe valeram até agora um empate com o Paraguai e uma derrota com a Colômbia por apenas 1-0.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.