Portugal com Escócia e Finlândia no apuramento para o Euro2021 de futebol feminino

Para a fase final do Europeu de 2021, em Inglaterra, serão 15 os países que se juntarão à seleção anfitriã.

A seleção portuguesa de futebol feminino reencontra a Finlândia e a Escócia no apuramento para o Euro2021 de Inglaterra, num grupo E que conta ainda com Chipre e Albânia, ditou o sorteio realizado hoje em Nyon (Suíça).

Portugal, 32.º no 'ranking' da FIFA, entrava no sorteio realizado na sede da UEFA inserido no terceiro pote e, entre os mais difíceis adversários, que integravam os potes 1 e 2, conseguiu 'fugir' aos 'tubarões', como Alemanha, França, Inglaterra ou Holanda, atual campeã europeia.

A Escócia, a seleção menos cotada do pote 1, 20.ª da hierarquia mundial, foi adversária de Portugal no Europeu realizado na Holanda, em 2017, para o qual Portugal conseguiu qualificar-se pela primeira vez.

Em julho de 2017, na fase de grupos, a equipa treinada por Francisco Neto, conseguiu vencer as escocesas por 2-1, com golos das internacionais Carolina Mendes e Ana Leite, no único triunfo luso na competição, em três partidas.

O sorteio determinou também que Portugal vai reencontrar a Finlândia, atual 28.ª do mundo, que chegou a vencer no apuramento para o Europeu de 2017, por 2-1, em casa, tendo empatado fora a 0-0. Depois disso, a seleção lusa empatou em dois particulares com as finlandesas, ambos 1-1.

Das equipas dos potes 4 e 5, Portugal defrontará a Albânia (78.ª) e Chipre (153.º). Nos dois jogos diante das albanesas, no apuramento para o Mundial2015, Portugal goleou por 7-1 e 3-0, mas com as cipriotas será uma estreia.

Para a fase final do Europeu de 2021, em Inglaterra, serão 15 os países que se juntarão à seleção anfitriã.

A fase de qualificação, que decorre entre 26 de agosto de 2019 e setembro de 2020, é composta por nove grupos, os dois primeiros com seis equipas e os restantes com cinco.

Apuram-se diretamente os vencedores de cada grupo, mais os três melhores classificados, excluindo os jogos com os últimos posicionados de cada agrupamento. Os restantes seis segundos colocados disputarão um 'play-off', em outubro de 2020.

Portugal conseguiu a estreia num Europeu em 2017, quando foi segundo no seu grupo de apuramento, atrás de Espanha, tendo disputado os 'play-off', no qual eliminou a Roménia (0-0 em casa e 1-1 fora).

Grupos de apuramento para o Europeu feminino de 2021, em Inglaterra:

Grupo A: Estónia, Kosovo, Turquia, Eslovénia, Rússia e Holanda.

Grupo B: Geórgia, Malta, Israel, Bósnia e Herzegovina, Dinamarca e Itália.

Grupo C: Ilhas Faroé, Irlanda do Norte, Bielorrússia, País de Gales e Noruega.

Grupo D: Azerbaijão, Moldova, Polónia, República Checa e Espanha.

Grupo E: Chipre, Albânia, Portugal, Finlândia e Escócia.

Grupo F: Letónia, Eslováquia, Hungria, Islândia e Suécia.

Grupo G: Macedónia, Cazaquistão, Sérvia, Áustria e França,

Grupo H: Lituânia, Croácia, Roménia, Bélgica e Suíça.

Grupo I: Montenegro, Grécia, República da Irlanda, Ucrânia e Alemanha.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?