Palmeiras campeão. Santinha de Scolari chama-se Deyverson

Em quatro meses, ex-selecionador de Portugal virou a trajetória do Verdão e, com um golo providencial de Deyverson (ex-Benfica B e Belenenses), conquistou o 10.º título de campeão brasileiro dos paulistas

Passaram 22 anos desde que Luiz Felipe Scolari conquistou o primeiro título de campeão brasileiro. Em 1996 foi pelo Grêmio, hoje garantiu o 10.º do Palmeiras. Com um golo de Deyverson (ex-Belenenses e Benfica B) em São Januário a derrotar o Vasco da Gama (em perigo de ser relegado à Série B).

Um golo providencial: Deyverson saltou do banco para fazer o 0-1 que garantiu os três pontos decisivos aos paulistas. O avançado que passou em Portugal pelo Benfica B e Belenenses já tinha marcado um golo no 4-0 ao América na jornada anterior, a antepenúltima do Brasileirão. Um golo que deu uma história transcendente, ao estilo "pé quente" do devoto Scolari, que contagiou muitos dos jogadores da seleção num ritual em torno de Nossa Senhora do Caravaggio.

Na altura, Deyverson abriu a cabeça e a camisola ensanguentada foi arremessada pelo guarda-redes suplente Brass para a bancada, onde um adepto a acolheu. Esse adepto prometeu encaixilhar a camisola sem a lavar - porque, disse ao Globo, "é a camisa do título".

E acabou por ser, quando hoje Deyverson voltou a marcar. O 9.º golo, metade dos de Gabriel, o discreto "Gabigol" do Benfica. Líder desde a 27.ª jornada, o Palmeiras encontrou o rumo quando Scolari chegou ao clube há quatro meses (26 julho).

Há 22 anos, no Grêmio de Belo Horizonte (com Paulo Nunes, depois jogador do Benfica, como melhor marcador, 16 dos 42 golos da equipa), o treinador que conduziu Portugal à primeira final de uma grande competição (derrota aziaga no Estádio da Luz, 0-1 frente à Grécia, no Euro 2004) conquistou o primeiro Brasileirão.

Hoje, ajudou o Palmeiras a sedimentar a posição cimeira de campeão, com os dez títulos a garantirem-lhe essa supremacia por mais algum tempo. O Corinthians, com sete, é o segundo clube com mais campeonatos.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.