Treinador castiga pais e proíbe-os de assistir ao jogo dos filhos

Vilaverdense decidiu castigar os pais. "Um dos pais pegou num pacote de lenços [de papel] e começou a distribuir por outros pais, foi uma humilhação para o treinador que, no dia seguinte, me ligou a dizer que não tinha condições para continuar", revelou José Pedro, que decidiu convocar os pais na segunda feira e informá-los do "castigo".

O Departamento de Formação do Vilaverdense vai interditar, por um jogo, a entrada dos pais dos jogadores da equipa de iniciados 1. Tudo porque, no jogo do passado domingo, frente aos Amigos de Urgeses, do campeonato distrital da Divisão de Honra da Associação de Futebol de Braga, que terminou com a derrota da equipa por 3-1, alguns pais mostraram lenços brancos ao treinador.

"O comportamento de alguns encarregados de educação envergonharam o Vilaverdense FC violando os deveres dos pais consignados no Regulamento Geral Interno e Códigos de Conduta", informou o clube em comunicado, explicando que o departamento de formação decidiu "não punir os atletas por violação de alguns encarregados de educação, conforme previsto no regulamento", já que considera que foram "vítimas" do comportamento dos progenitores.

Por isso, no próximo jogo em casa da equipa de iniciados, o acesso à bancada vai estar vedado aos pais: "Não deliberamos por gosto mas sim pela defesa dos direitos fundamentais dos nossos atletas."

O coordenador da formação, José Pedro, explicou a medida ao DN, que se prende com obrigações "ética na formação", mas também pedagógicas. Porque, no entender dele os pais precisam aprender que não vale tudo e que são um exemplo para os filhos.

"Um dos pais pegou num pacote de lenços [de papel] e começou a distribuir por outros pais, foi uma humilhação para o treinador que, no dia seguinte, me ligou a dizer que não tinha condições para continuar", revelou José Pedro, que decidiu convocar os pais na segunda feira e informá-los do "castigo".

O Vilaverdense "tem um regulamento geral, um código de conduta e sanções para quem não os cumpre", mas desta vez o diretor da formação achou que só com palavras não ia lá:"O castigo que está previsto é sobre os miúdos, impedindo-os de jogar, mas eles foram as vítimas aqui, pelo que deliberámos aplicar um artigo omisso sobre os pais", vedando-lhes o acesso ao próximo jogo em casa, previsto para 13 de janeiro de 2019."

Na prática, se algum pai se dirigir ao jogo o clube "não pode chamar a polícia para os impedir de entrar", mas José Pedro acredita que eles vão acatar a decisão do clube. E segundo ele, os pais já prometeram não boicotar o jogo e deixar os filhos ir jogar.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.