O desabafo de Renato: "Só faltam 45 minutos para ir de férias. Depois nunca mais"

Jornal alemão Bild relata insatisfação recente do antigo jogador do Benfica no balneário da equipa germânica.

Definitivamente, Bayern Munique e Renato Sanches não combinam. De acordo com jornal alemão Bild, o antigo jogador do Benfica parece desesperado para deixar o emblema bávaro e terá mesmo dado conta da sua insatisfação em pleno balneário.

Segundo o Bild, no dia 29 de maio, antes de um jogo particular que o Bayern Munique disputou com o Lindau, Renato terá desabafado alto e bom som no balneário da equipa germânica. "Graças a Deus só faltam 45 minutos no Bayern para ir de férias. Depois disso, nunca mais, nunca mais!", terá dito o médio de 21 anos,

A relação entre o Bayern e Renato Sanches tem sido tudo menos pacífica. Na época que terminou, o jogador participou em 24 jogos e marcou dois golos, mas na maioria das vezes foi suplente utilizado. E em 2017/18 acabou por ser cedido ao Swansea, da liga inglesa, numa temporada que também não lhe correu bem.

Renato tem desabafado várias vezes que não se sente bem no Bayern. "Não estou feliz aqui. Trabalho muito, mas não posso jogar. Tenho de pensar naquilo que é melhor para mim. Quero jogar mais, talvez consiga isso noutro clube", referiu em março o médio que o Bayern Munique contratou ao Benfica, em 2016, por 35 milhões de euros.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.