Renato Paiva: "O Benfica deu a João Félix uma nova vida"

Renato Paiva, treinador do Benfica B, deu uma entrevista em Inglaterra onde revela os primeiros tempos do avançado do Atlético de Madrid nos sub-17 dos encarnados. "Ele fazia coisas que nunca tinha visto", recordou, admitindo que na altura não percebeu por que razão o FC Porto o deixou escapar.

Renato Paiva, treinador da equipa B do Benfica, deu uma entrevista exclusiva ao portal inglês The Sportsman na qual fala de João Félix e da evolução que o atual jogador do Atlético de Madrid teve desde que chegou ao Seixal, onde foi treinado por si nos sub-17.

"Quando chegou ao Benfica estava desmoralizado, mas o Benfica foi muito importante e deu-lhe uma nova vida", afirmou o técnico em Wesham, norte de Inglaterra, após o jogo que a equipa B dos encarnados realizou esta quarta-feira com o Hertha Berlim (vitória por 2-1) para a Premier League International Cup.

"Eu treinava os sub-17 quando o João chegou do FC Porto e fui o primeiro treinador dele no Benfica. Chegou numa situação complicada porque não jogava, era muito magro e o FC Porto queria outro tipo de jogadores, mais fortes", acrescentou, considerando que "é o próprio João Félix o responsável por tudo o que lhe está a acontecer agora".

"Na primeira semana de treinos, estava a vê-lo trabalhar e disse para o meu assistente: 'O que é que nos temos aqui? Viste a mesma coisa do que eu? Temos aqui um diamante. Como é possível este miúdo não ter jogado no FC Porto", recorda Renato Paiva, acrescentando: "Ele fazia coisas que nunca tinha visto. Em todos os treinos fazia coisas que não esperavamos, era imprevisível, com grandes qualidades técnicas e táticas. Na forma como evitava o contacto era muito inteligente. O João Félix é um jogador completo."

Renato Paiva destacou ainda que João Félix é "muito humilde" e nesse sentido conta um episódio que demonstra isso mesmo quando o avançado já estava na equipa principal do Benfica. "Eu treinava os sub-19 e tinhamos um jogo à tarde com o FC Porto e, uma hora e meia antes do jogo, vi o João, que tinha treinado de manhã, a conversar com os diretores e treinadores da sua antiga equipa. Ou seja, acabou o treino e não foi descansar nem foi ter com raparigas [sorri], mas quis ir recordar os seus primeiros tempos de jogador, de uma forma humilde", revelou.

Outro episódio que demonstra a humildade do avançado foi relatada por Renato Paiva: "Faltavam dois meses para acabar a época e ele estava na equipa B, mas o presidente quis ganhar o campeonato de sub-19 e o João, que tinha idade para jogar naquele escalão, baixou então de escalão. Se calhar a maioria dos jogadores reclamava e revirava os olhos, mas ele jogou e foi o melhor marcador do campeonato."

Renato Paiva lembrou ainda que no dia a seguir à sua estreia pela equipa principal do Benfica, no Bessa com o Boavista no dia 18 de agosto de 2018, João Félix telefonou-lhe a perguntar se estava na academia e se podia ir ter com ele. "Ele chegou e deu-me a camisola que utilizou nesse jogo e disse-me: 'Isto é para si, obrigado por tudo aquilo que fez por mim porque foi o meu primeiro treinador aqui e eu estava muito mal naquela altura. Isto mostra que tem uma boa família, uma boa educação e explica que tudo isso ajuda os jogadores", frisou, reforçando a ideia que o sucesso que alcançou deve-se "90% a João Félix".

Nesta entrevista, Renato Paiva admitiu que em tempos disse que o Manchester City e o Barcelona seriam as equipas onde João Félix se encaixaria melhor, confrontado com isso, justificou: "Disse o City por causa de Guardiola e Barcelona pela forma como eles jogam, pois considero que as características do João encaixam melhor naquele tipo de jogo. Mas por amor de Deus, eu respeito muito o Atlético de Madrid, só acho que a ideia do City com Guardiola é melhor para o João Félix".

O técnico encarnado considera que Diego Simeone "tem muito mérito como grande treinador", embora assuma que não se identifica com a forma de jogar do Atlético. "Eu cheguei ao Benfica há 15 anos e esta mentalidade de ganhar, pressionar é a que mais gosto."