Nike retira artigos de Kobe Bryant do mercado

Marca que calçava o antigo jogador do Lakers, que morreu no domingo, num acidente de helicóptero, que vitimou mais oito pessoas, não quer lucrar com a morte do ídolo do basquetebol da NBA nem permitir o aproveitamento.

A Nike, empresa que patrocinava Kobe Bryant, suspendeu a venda dos artigos da gama do antigo basquetebolista (Kobe-Nike) na loja virtual nos EUA. A empresa justifica a decisão de deixar de vender os produtos relacionados com a lenda da NBA, que morreu no último domingo, na sequência de um acidente de helicóptero, que tirou a vida a outras oito pessoas, incluindo a filha de Kobe de 13 anos, Gianni, para impedir que haja revenda a preços exorbitantes.

Quando os usuários pesquisam por Kobe no site nike.com aparecem cartões-presente com tema do Los Angeles Lakers e são depois redirecionados para a mensagem memorial da marca. Algo que já acontece com a página da marca em Portugal.

A decisão foi tomada depois de uma reportagem da ESPN sobre a correria online aos artigos de Kobe, logo depois da tragédia, com o intuito de comprar principalmente os ténis da coleção de Bryant e revendê-los por preços exorbitantes. "Ele [Bryant] era um membro muito amado de nossa família. Vamos sentir muito a falta dele. Mamba para sempre", diz o texto da declaração da Nike.

Bryant, que era uma das imagens da marca, recebia oito milhões de dólares (7,3 milhões de euros) por ano em royalties da Kobe-Nike. Todos os anos, no dia 24 de agosto, a Nike lançava sapatilhas em séries limitadas, que chegaram a render a Kobe 16 milhões num só dia. Era o chamado "Mamba Day".

A antiga estrela da NBA tinha ainda acordos com as marcas McDonald's, Sprite (Coca-Cola) e Nutella.

Paulo Coelho vai apagar rascunho de livro

O escritor brasileiro Paulo Coelho também anunciou que pretende apagar o rascunho de um livro infantil que se encontrava a escrever em conjunto com o antigo basquetebolista norte-americano Kobe Bryant.

"Foste mais do que um grande jogador, querido Kobe Bryant. Aprendi muito a interagir contigo. Vou apagar o rascunho agora mesmo. Este livro perdeu a razão de ser", escreveu o autor de "Veronika decide morrer" ou "O Alquimista" na rede social Twitter.

Os dois mantinham um contacto por via digital regular, que se iria traduzir numa obra assinada em conjunto, no que seria um regresso de Bryant às histórias para crianças e jovens.

Em 2017, a curta-metragem de animação "Dear Basketball", narrada pelo antigo basquetebolista e com textos do próprio, venceu o Óscar de Melhor Curta de Animação, primeiro prémio da Academia para um atleta profissional.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG