Neymar desvalorizou quase 100 milhões só neste ano

Estudo do CIES, o Observatório do Futebol, mostra que o valor de mercado do brasileiro é de 120 milhões de euros, quando em janeiro eram 213 milhões. Ausência de títulos, leões e o recente caso da acusação de violação estão na base desta desvalorização.

O valor de mercado de Neymar desceu quase 100 milhões de euros só nos últimos seis meses. Na base desta desvalorização do passe do jogador brasileiro estão a ausência de títulos importantes, as lesões que sofreu ao longo desta época e, claro, o mais recente escândalo que o futebolista se viu envolvido na última semana, acusado de violação por parte de uma mulher.

De acordo com o último relatório lançado pelo CIES, o Observatório do Futebol que conta com o apoio da FIFA e da UEFA e que regularmente lança estudos sobre o valor de mercado dos futebolistas, o craque brasileiro está atualmente avaliado em 120 milhões de euros. Ou seja, menos 100 milhões do que aquilo que o PSG pagou há dois anos pela sua contratação ao Barcelona - 222 milhões de euros.

Em janeiro deste ano, Neymar estava avaliado pelo CIES em 213 milhões de euros, precisamente numa altura que coincidiu com uma lesão sofrida pelo jogador e que o deixou algum tempo afastado dos relvados.

Depois disso, e mais recentemente, Neymar viu-se envolvido numa confusão com um adepto do Rennes, quando o agrediu durante a final da Taça de França. E na última semana o jogador brasileiro foi acusado de violação por parte de uma mulher, um caso que está já entregue à justiça, e que coincidiu também com uma lesão sofrida num jogo particular que o vai deixar afastado da Copa América. Todos estes fatores contribuíram para a desvalorização do seu atual valor de mercado.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.