Nadal acaba com sonho de João Sousa em Wimbledon

N.º2 do ranking mundial venceu o português com um triplo 6-2 e avançou para os quartos-de-final. Em três jogos com Nadal, Sousa continua sem o conseguir vencer.

Acabou o sonho de João Sousa em Wimbledon. O tenista português foi esta segunda-feira eliminado nos oitavos-de-final do torneio britânico por Rafael Nadal, número 2 do mundo, pelos parciais de 6-2, 6-2- e 6-2.

Cumpriu-se assim a tradição de Sousa não conseguir vencer um jogador do top 5 do ranking ATP. Diante de Nadal, foi o terceiro jogo. No primeiro, em 2014, no Rio de Janeiro, o espanhol venceu em dois sets (6-0 e 6-1). O segundo encontro aconteceu em 2016, em Madrid, também nos quartos-de-final do torneio, com 'Rafa' a bater o português por 6-0, 4-6 e 6-3, num jogo em que Sousa conseguiu roubar um set ao espanhol. Esta segunda-feira, em Wimbledon, Nadal voltou a não dar hipóteses.

Apesar da derrota, esta foi melhor prestação de sempre de um português em Wimbledon e iguala o melhor resultado do vimaranense de 30 anos em Grand Slams, a quarta ronda do US Open de 2018. Este foi o 13.º desaire de João Sousa frente a tenistas do top 3 do ranking mundial: cinco contra Novak Djokovic, quatro ante Andy Murray, três frente a Rafael Nadal e um com Roger Federer.

Em sentido contrário, Rafael Nadal fica mais perto de reconquistar um título que já venceu por duas vezes, em 2008 e 2010.

Em Wimbledon, João Sousa atingiu os oitavos-de-final da competição, depois de ter deixado pelo caminho Marin Cilic (n.º 18 do mundo) com um triplo 6-4 e eliminado o britânico Daniel Evans na ronda anterior, com os parciais de 4-6, 6-4, 7-5, 4-6 e 6-4.

"Não há muita coisa a dizer. O Rafa esteve muito bem, fez um encontro incrível e demonstrou o porquê de ser um dos melhores jogadores da atualidade e da história do ténis mundial. E hoje, esteve demolidor, aniquilou completamente as minhas armas e a estratégia que tinha delineado", afirmou Sousa.

Além de ter notado que o bicampeão de Wimbledon (2008 e 2010) "estava muito cómodo a jogar e que tinha estudado muito bem a tática", o número 1 português e 69.º da hierarquia ATP confessou não ter conseguido "fazer nada em relação a isso". "Sem servir de desculpa, gostaria de ter estado um bocadinho melhor fisicamente, porque poderia ter dado mais alguma luta. Mas, ele esteve irrepreensível, fez um encontro incrível e só me resta dar-lhe os parabéns e desejar-lhe o melhor para o resto do torneio, como lhe transmiti à rede. A continuar a jogar assim, tem sérias hipóteses de vencer o torneio", afiançou Sousa.

Apesar da derrota, o português mostrou-se muito orgulhoso das exibições e resultados alcançados no All England Club, onde se tornou o primeiro português a disputar os oitavos de final de Wimbledon, à semelhança do sucedido no US Open, em 2018. "Estou muito contente por ter chegado mais uma vez à quarta ronda de um torneio do 'Grand Slam', por ter voltado a jogar a um bom nível, ter feito bons encontros e ter feito história. É sempre bom deixar o nome de Portugal na história do ténis. É um orgulho para mim", sublinhou o vimaranense.

Por seu lado, Rafael Nadal mostrou-se contente com o triunfo diante o jogador português, que conhece bem e com quem costuma treinar diversas vezes, sobretudo na pré-temporada, e com a passagem aos quartos-de-final pela oitava vez consecutiva em torneios do Grand Slam. "Penso que foi um encontro sólido, embora o meu serviço não tenha funcionado tão bem como há dois dias. Mas, nos restantes aspetos, correu bastante bem. Muitas coisas positivas, boa direita, boa esquerda, variando o ritmo com alguns 'slices' e também bons 'vóleis'. Estou contente pela vitória e por estar de regresso aos quartos-de-final", resumiu o terceiro cabeça de série, de 33 anos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG