Motim no Bayern contra Kovac. "Não estamos em Frankfurt"

A frase do título é atribuída a James Rodríguez, que a terá dirigido durante uma discussão com o treinador Nico Kovac, no olho do furacão em Munique após quatro jogos sem ganhar e ser questionado pelo plantel quanto aos métodos

Longa vida leva Nico Kovac em Munique. O treinador que chegou com uma bagagem de bom futebol e bons resultados no Eintracht de Franfurt, coroado com a conquista da Taça da Alemanha contra aquele que já tinha sido anunciado o seu futuro clube, o poderoso Bayern, já fez fez onze jogos pelos monopolizadores do futebol alemão. Onze jogos, uma vida?

Sim. Jogadores a questionarem os métodos e as práticas do treinador, o presidente a avisá-lo que a política de rotatividade de atletas ainda lhe pode custar o lugar, os últimos quatro jogos sem vitórias. Há um motim contra o treinador em desenvolvimento no Bayern de Munique. E a única defesa que chegou publicamente foi do anterior clube.

"Para ter êxito, precisa de apoio. Deve ter as costas protegidas", comentou estes dias o diretor desportivo do Eintracht de Frankfurt, Na Baviera, antes ainda do dramático quarto jogo sem ganhar (0-3 em casa diante do Borussia de Moenchengladbach, uma derrota sem marcar em casa que já não acontecia desde 9 de maio de 2015 - 0-1 frente ao Augsburgo), o presidente Uli Hoeness deu uma no cravo, outra na ferradura.

"Tem havido muita rotação de jogadores e, desde então, há algo ligeiramente mal connosco, mas não acho que seja dramático", disse à revista inglesa Four Four Two o presidente Uli Hoeness. "É uma decisão do treinador e, no fim, é ele quem está a meter o pescoço no cepo pelas decisões", acrescentou. E finalizou: "De momento, temos alguns problemas, mas é normal. Não entendo a perceção pública: há 10 dias dizia-se que as restantes equipas da Bundesliga jogavam para o 2.º lugar e agora, de repente, está tudo mal connosco?".

Tudo, tudo, não estará. Mas depois dessas declarações, houve quatro episódios a sugerir o levantamento de um motim no balneário. Logo a seguir, o Bild, mensageiro das desgraças (e não só) do colosso alemão, dava conta de uma discussão entre Kovac e o insatisfeito James Rodríguez, que se sente pouco utilizado a valorizado. A querela ficou marcada por uma frase do colombiano. "Não estamos em Frankfurt", atirou o ex-jogador do FC Porto após ser substituído, novamente, no empate (1-1) na Allianz Arena frente ao Ajax, para a Liga dos Campeões (no grupo do Benfica, que nesse dia ganhou em Atenas ao AEK, por 3-2).

E não é Frankfurt, seguramente. O mesmo jornal adiantou que a direção do Bayern rejeitou avançar para dois jogadores que Kovac entendia serem essenciais para dar solidez ao plantel, o avançado Ante Rebic (do... Eintracht de Frankfurt) e o defesa Kevin Vogt, capitão do Hoffenheim. Estado do plantel bávaro: Kingsley Coman e Corentin Tolisso são baixas de longa duração, a única alternativa aos laterais direito e esquerdo é Rafinha. Está lesionado.

Na quinta-feira, Kovac foi assistir ao jogo da Euroliga de basquetebol entre o Bayern de Muique e os turcos do Anadolu Efes. E foi recebido por uma tremenda vaia dos adeptos.

Para culminar, na edição deste sábado, o Bild diz que os jogadores estão profundamente descontentes com os métodos de Nico Kovac, que impõe 20 minutos de bicicleta após as sessões de treino e dos jogos. O jornal acrescenta que há mesmo alguns atletas a seguirem uma espécie de plano individual alternativo de treino. Para cúmulo, segundo o peródico, parece que Kovac privilegia as conversas em croata com os membros da equipa técnica (entre eles, o irmão Robert).

Os jogadores consideram uma falta de respeito para com eles, até porque Kovac domina fluentemente o alemão, e já se dizem cansados dos métodos peculiares de Niko Kovac, que neste momento mantêm a equipa no 6.º lugar da Bundesliga a quatro pontos do líder Dortmund.

Onze jogos podem ou não ser uma vida longa e penosa? É esperar pelas cenas dos próximos capítulos de um aparente folhetim que se vive na Baviera.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.