Morreu Quinzinho, ex-jogador do FC Porto

O ex-avançado dos dragões morreu esta segunda-feira aos 45 anos vítima de um ataque cardíaco. Além do FC Porto, em Portugal representou o Rio Ave, Estoril, Desp. Aves, U. Leiria, Farense e Alverca.

Joaquim Alberto Silva, ex-jogador do FC Porto conhecido por Quinzinho, morreu esta segunda-feira vítima de um ataque cardíaco. O antigo futebolista, de 45 anos, nascido em Angola, é pai de Xande Silva, jogador do West Ham, de Inglaterra, que representou o V. Guimarães.

O Vilafranquense, clube onde Quinzinho exerceu há pouco tempo funções de preparador físico, lamentou o desaparecimento do antigo jogador que representou clubes como FC Porto, Rio Ave, Estoril Praia, U. Leiria, Desp. Aves, Farense, Alverca e Rayo Vallecano. "Deixou-nos subitamente aos 45 anos de idade. Os nossos pensamentos e profundos sentimentos estão com toda sua família neste momento de dor e angústia. Que descanse em paz", podia ler-se numa nota do clube ribatejano.

O FC Porto, através das redes sociais, também lembrou o antigo avançado, que ao serviço dos dragões sagrou-se duas vezes campeão nacional.

Entre 2003 e 2009, o avançado jogou em clubes chineses e acabou por terminar a carreira no ASA, de Luanda. Atualmente vivia em Portugal.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.